PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Pai de Militão põe data para despedida, mas São Paulo promete resistir

Militão já está livre para assinar pré-contrato com qualquer equipe e sair de graça - Marcello Zambrana/AGIF
Militão já está livre para assinar pré-contrato com qualquer equipe e sair de graça Imagem: Marcello Zambrana/AGIF

Bruno Grossi

Do UOL, em São Paulo (SP)

20/07/2018 12h02

Nesta sexta-feira, o jornal português A Bola publicou uma entrevista com o pai de Militão, jogador do São Paulo. Na matéria, Valdo Militão afirma que seu filho reforçará o Porto e que se despedirá do Tricolor Paulista no clássico deste sábado, às 21h, contra o Corinthians. A partida é válida pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro. A diretoria são-paulina, no entanto, não crê nesse cenário e promete resistir para ficar com o garoto de 20 anos pelo menos até o fim da temporada. Depois, Valdo Militão negou que tenha falado com a publicação portuguesa, em entrevista ao LANCE!.

O contrato de Militão com os tricolores vai até 11 de janeiro. Assim, ele já está livre para sair de graça e assinar pré-contrato com qualquer equipe. O Porto tenta tirá-lo do Brasil desde o começo da temporada e não quer esperar o fim do vínculo com o São Paulo. O desejo é de pegar a promessa imediatamente, mesmo que isso exija um pagamento ao clube do Morumbi.

Os dirigentes do Tricolor estão cientes dessa estratégia e colocam um preço alto para quem só tem seis meses de contrato restantes. É uma forma segurar o ímpeto dos portugueses e, se não for possível impedir a saída agora, pelo menos conseguir lucrar mais em uma negociação que parecia perdida. A diretoria passou mais de um ano tentando renovar e valorizar Militão, que ainda tem vencimentos equivalentes aos de atletas da base.

A maior vontade do São Paulo segue sendo manter o camisa 13, que tem jogado sempre como lateral-direito, até o fim do Campeonato Brasileiro. Ele é considerado um dos jogadores mais regulares do elenco e tem postura elogiada pela seriedade mesmo com esses entraves nos bastidores. Ainda assim, uma medida cautelar já foi tomada quando Bruno Peres foi contratado por empréstimo da Roma até dezembro de 2019.

Os tricolores acreditam que o caso de Militão deve ter seus capítulos finais nas duas próximas semanas. Seja para a manutenção do jovem, seja para conseguir fazer o Porto investir pesado no negócio.

Futebol