PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Atacante é preso acusado de furtar celulares de loja; time anuncia rescisão

Marcello De Vico

Do UOL, em Santos (SP)

20/07/2018 16h05

O atacante Wellington da Silva Terra Júnior, de 20 anos, foi preso nesta quinta-feira (19) acusado de furtar celulares da loja em que trabalhava, em Jataí, região sudoeste de Goiás. Recém-contratado pelo Jataiense, ele treinava com o elenco há mais de dez dias e vinha se preparando para disputar a segunda divisão do Campeonato Goiano, que começa neste domingo. A informação foi inicialmente divulgada pelo site Globoesporte e confirmada pelo UOL Esporte.

Aproveitando-se da condição de funcionário de uma loja da Casas Bahia, Wellington teria desviado diversos aparelhos que foram entregues a pessoas que os negociavam por grupos de mensagens ou sites de relacionamento. A Operação, desencadeada pelo Grupo Especial de Repressão a Crimes Contra o Patrimônio (Gepatri), recuperou 47 aparelhos furtados.

Segundo o delegado Adelson Candeo Junio, responsável pela operação, Wellington ainda cumpria o aviso prévio na loja, uma vez que tinha pedido para deixar o local de trabalho justamente por causa do contrato assinado com o Jataiense para disputar a competição.

De acordo com a Polícia Civil, Wellington foi preso e autuado por furto qualificado e, se for condenado, pode ficar por até oito anos na prisão. Na operação, diversos receptadores foram conduzidos à delegacia em posse de aparelhos roubados ou furtados, entre eles Valter Luan da Silva, preso por receptação dolosa. Outros ainda foram autuados por receptação culposa.

Polícia Civil de Goiânia recuperou 47 celulares furtados. Atacante do Jataiense foi preso acusado de furto - Divulgação/Polícia Civil de Goiânia - Divulgação/Polícia Civil de Goiânia
Imagem: Divulgação/Polícia Civil de Goiânia

Como a Polícia chegou a Wellington

“A loja percebeu que, em três meses, 96 aparelhos de celular desapareceram, e registraram a ocorrência informando esses aparelhos e indicando a numeração. A partir disso, começamos a verificar e recuperar alguns aparelhos. E sempre indicavam a mesma pessoa como sendo a pessoa que vendeu. Não era o Wellington, era uma moça que negociava via Facebook e, quando abordamos essa moça, o próprio telefone era da Casas Bahia. E ela acabou indicando de quem ela havia pegado os aparelhos. No decorrer das investigações, apareceram mais duas pessoas que recebiam aparelhos do Wellington para negociar. Mas era passado a essas pessoas, pelo Wellington, que os aparelhos eram legais”, esclareceu o delegado em entrevista ao UOL Esporte.

“A gente não pode dizer que essas pessoas sabiam. O Wellington é quem desviava esses aparelhos. E no dia anterior à prisão do Wellington, foi preso um rapaz por receptação. Esse sim a gente soube que tinha ciência de que era roubado”, acrescentou Adelton Candeo Junio.

Imagens mostram momento suspeito

Em imagens das câmeras de segurança obtidas pelo UOL Esporte junto à Polícia Civil de Goiânia, é possível verificar uma das ações suspeitas de Wellington. No vídeo (acima, no topo da matéria), o ex-jogador do Jataiense é visto pegando três celulares no depósito da empresa. Logo depois, ele segue para o setor de entrega com apenas dois aparelhos.

Outras imagens como essa, com Wellington pegando aparelhos no depósito em quantidade superior à que deveria entregar aos clientes, foram obtidas pela Polícia.

Atacante é desligado do clube

Em contato com o UOL Esporte, o diretor jurídico do Jataiense, Álvaro Gomes, informou que irá rescindir o contrato de atleta. A decisão foi tomada após uma reunião na tarde desta sexta-feira (20).

“A Associação Esportiva Jataiense foi surpreendida com a prisão do atleta que está sendo acusado pela autoridade de estar envolvido no furto de mais de 90 aparelhos celulares. Desde então estamos acompanhando o caso dele junto com as autoridades de forma cuidadosa para que a melhor decisão seja tomada e para que não venha a ocorrer o risco de cometermos nenhuma irregularidade”, disse.

“Porém, avaliamos bem a situação e chegamos à conclusão que o melhor para a instituição é a rescisão com o atleta, porque não existe mais interesse nessa relação de trabalho. Esperamos um pouco para não fazer nada de forma despropositada, já que são casos delicados cujas decisões não podem ser tomadas de qualquer jeito. Mas procederemos com o desligamento do atleta”, justificou.

A reportagem tentou contato com a defesa do jogador, mas ainda não obteve resposta até a publicação da matéria.

Futebol