PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Nelsinho Baptista anuncia saída do Sport e ataca diretoria, que se defende

Nelsinho Baptista foi contratado pelo Sport em dezembro do ano passado - Williams Aguiar/Sport Club do Recife
Nelsinho Baptista foi contratado pelo Sport em dezembro do ano passado Imagem: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Do UOL, em Santos (SP)

24/04/2018 15h06

Durou pouco mais de quatro meses a segunda passagem de Nelsinho Baptista pelo Sport. Nesta terça-feira (24), um dia após o empate com o Botafogo, na Ilha do Retiro, pelo Brasileiro, o treinador convocou uma entrevista coletiva e anunciou sua saída do comando rubro-negro.

Já sem uniforme do Sport, Nelsinho desabafou na coletiva e atacou a diretoria. "Estou fora do Sport. Não consigo trabalhar com pessoas que enganam todo mundo. Agradeço ao torcedor, mas não consigo trabalhar com pessoas desse tipo. Enganar torcedor, jogador, e os problemas são sempre dos outros", afirmou.

Não consigo trabalhar com pessoas que enganam todo mundo"

"Os problemas no campo são os menores possíveis. O problema do Sport é fora de campo. Não sou um profissional qualquer. Tenho 55 anos de carreira. Da outra vez [2009] saí calado. Agora não. Resolvi falar. Sinto muito pela instituição", disse.

De acordo com o agora ex-treinador do Sport, o clube convive com salários atrasados há um bom tempo. "Eu estou no Sport há quatro meses e não recebo. Recebi uma imagem. E o pior de tudo: ninguém me dá uma satisfação. Como é que você pode ir para frente com uma diretoria dessa?", questionou.

"Eu estou desabafando algo que vem comigo há dez anos. Não consigo ficar calado. A debandada de atletas que saiu daqui, que quiseram sair, foi muito grande. Além de perder atletas, tinha uma crise para trazer jogadores. O trabalho foi bom, o resultado que não. Eu me sinto frustrado", acrescentou.

Eu estou desabafando algo que vem comigo há dez anos. Não consigo ficar calado"

Para encerrar a coletiva, Nelsinho decretou o fim de seu ciclo no Sport. “Eu acho que meu ciclo acabou no Sport. Essa é minha última passagem pelo Sport. Agradeço muito o torcedor. Talvez algum torcedor vá ficar magoado, mas mais para frente ele vai entender”, lamentou o treinador, que passou pelo Sport entre 2008 e 2009 e conquistou os títulos da Copa do Brasil e do Campeonato Pernambucano.

Áudio vazado foi o estopim

Durante a coletiva, Nelsinho Baptista citou por diversas vezes um ‘áudio’ vazado que conta com um suposto diretor do Sport dizendo que, em caso de derrota para o Botafogo (na última segunda-feira), ele seria demitido.

"Estou usando da mesma forma que os diretores usaram com um áudio que vazou ontem. Eu tomei conhecimento, ouvi o áudio, e para consumar a minha demissão, só faltou a derrota do Sport. Por isso eu convoquei vocês", justificou.

"É uma covardia o que foi feito. Eles estão nos acompanhando, sabem o trabalho do dia a dia, e foi uma declaração que até em parte eu tenho que aceitar. A cobrança como treinador eu tenho que conviver. Agora, existe uma grande mentira no final quando ele diz que essa semana ele deu totais condições de trabalho para gente ir para o jogo de ontem. Nem no CT ele apareceu", disparou.

Nelsinho Baptista ressaltou ainda que precisou ir para o jogo da última segunda-feira, contra o Botafogo, sem um atacante de frente, uma vez que Carlos Henrique, contratado do Londrina, ainda não foi regularizado.

"Eles não me deram o Carlos Henrique porque não tinham dinheiro para pagar o empréstimo ao Londrina. Eu fui para o banco ontem sem um atacante na frente, precisando improvisar", contou.

"Isso me deixou muito magoado, de eles estarem com problemas e me criticaram porque eu falei da crise financeira, mas todo mundo sabe. Só eles que não sabem. A realidade é essa hoje. Eles têm que ter os pés no chão para fazer com que o Sport saia dessa situação", acrescentou.

'Terrorismo' no CT

Outro ponto citado por Nelsinho foi o que chamou de ‘terrorismo’ com profissionais do Sport. Ele ressaltou que não havia tranquilidade para trabalhar.

“Um dia querer tirar o fisioterapeuta, um dia o departamento, outro dia o analista, um dia o auxiliar técnico... Só trazem problemas para a gente dentro do CT. Não trazem soluções”, desabafou o treinador, citando em seguida a saída da psicóloga Aritana Azevedo.

Só trazem problemas para a gente dentro do CT. Não trazem soluções"

“Eu não tirei. Sempre aqui alguém tem que pagar a conta. Eu quero esclarecer isso também. Uma profissional que, quando chegou a nova diretoria, a tiraram daqui. Não participei de nada”, acrescentou.

Sport se defende

Duas horas depois da coletiva de Nelsinho, foi a vez de o Sport se defender. O vice-presidente Guilherme Beltrão e o diretor de futebol Leonardo Lopes conversaram com a imprensa e lamentaram o fato de Nelsinho ter acabado com a ‘longevidade’ pretendida pela diretoria.

“O clube hoje está muito fragmentado. O mais importante de tudo isso é dizer: o que a imprensa cobra é que no primeiro resultado o treinador não saia, e a gente tentou manter essa coerência. Ontem, curiosamente, foi o primeiro grande jogo que o Sport fez na temporada”, disse Guilherme Beltrão, que em seguida falou sobre o 'terrorismo' citado por Nelsinho.

“Se terrorismo for cobrança, tirar as pessoas da linha de conforto, de internet, de festas, não posso fazer nada diferente. Quando não se ganha, o ambiente é perturbado. Infelizmente é assim. A gestão pode ser maravilhosa, mas, se não venceu, acabou. É dessa maneira que funciona o futebol”, acrescentou.

Guilherme Beltrão confirmou o atraso de salários citado por Nelsinho, mas rebateu algumas das declarações do treinador. "Ontem ele deu uma entrevista dizendo que desconhecia a crise financeira no futebol do Sport, e eu acho que ele também deveria conhecer a crise financeira de todo Brasil em termos de futebol. Como ele estava fora há muito tempo, num país de primeiro mundo, ele não entende que o futebol lá funciona de outra maneira. Lamentavelmente, aqui os clubes estão passando por esse momento, e não é só o Sport Clube Recife”.

51,8% de aproveitamento

Contratado em dezembro do ano passado, Nelsinho Baptista esteve à frente do Sport em 17 partidas – entre Campeonato Pernambucano, Copa do Brasil e Campeonato Brasileiro. Foram sete vitórias, sete empates e três derrotas, resultando em um aproveitamento de 51,8%.

Eliminado pelo Central nas semifinais do Campeonato Pernambucano e pelo Ferroviário-CE na Copa do Brasil, o Sport também começou mal o Brasileiro – derrota por 3 a 0 para o América-MG e empate por 1 a 1 com o Botafogo na Ilha do Retiro – e já ocupa a zona de rebaixamento da tabela.

Além da má fase dentro de campo, fora das quatro linhas o Sport vive uma forte crise política. Em 2018, o clube – que perdeu suas principais estrelas, como Diego Souza e André – convive com questionamentos sobre dívidas e processos judiciais.

Daniel Paulista também vai embora

Em nota divulgada por sua assessoria de imprensa, Daniel Paulista também comunicou seu desligamento. Ex-jogador do clube, com duas passagens entre 2008 e 2011, o auxiliar-técnico estava na comissão técnica da equipe desde 2014.

Daniel chegou a comandar o treinamento do time na tarde desta terça-feira. No entanto, após a atividade, foi chamado pela diretoria do Sport para ser comunicado do desligamento.

“Quero agradecer por esses 38 meses que vivi em um dos maiores clubes do Brasil e que tem um torcedor extremamente apaixonado e que participa ativamente. Saio com a sensação do dever cumprido, já que como auxiliar assumi o comando técnico da equipe em dois momentos delicados: no final da temporada de 2016 e no final de 2017, e nessas duas situações achavam que o Sport iria para a Série B, mas nós conseguimos, com o apoio dos atletas, dos funcionários do clube e dos torcedores, mantivemos o time na primeira divisão”, afirmou Daniel Paulista em nota.

Ao longo de trajetória como auxiliar-técnico, Daniel Paulista comandou o Sport em 38 jogos. Foram 20 vitórias, oito empates e dez derrotas.

Futebol