PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Por que o Grêmio preferiu Thonny Anderson a Sassá ou Rafael Sóbis

Thonny Anderson, do Grêmio, comemora seu gol com Ramiro durante partida contra o Novo Hamburgo  -  Ricardo Rímoli/AGIF
Thonny Anderson, do Grêmio, comemora seu gol com Ramiro durante partida contra o Novo Hamburgo Imagem: Ricardo Rímoli/AGIF

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

25/02/2018 08h00

O Cruzeiro estava decidido a contratar Edílson e deu opções ao Grêmio, oferecendo Sassá e Rafael Sóbis. Mas o Tricolor preferiu Alisson acompanhado de Thonny Anderson. E é o menos conhecido de todos que nesse sábado (24) brilhou na vitória por 3 a 0 sobre o Novo Hamburgo.

Entender a escolha do Grêmio por Thonny Anderson é perceber uma das características da atual gestão do clube: apostar nos conceitos e avaliações da base. Foi assim na contratação do então desconhecido Luan da Catanduvense. Foi assim também com Pedro Rocha, emprestado do Diadema, ou Everton, do Fortaleza. A base deu aval, e o Tricolor investiu pouco para lucrar muito, financeira ou tecnicamente.

Decidido a deixar o elenco mais jovem, Romildo Bolzan Júnior ouviu novamente os dirigentes da base, que tinham em Thonny um alvo antigo.

"Este jogador veio para o Grêmio na observação da base. Eles observam vários jogadores no país e, querendo tornar o plantel mais jovem, o Grêmio foi na negociação, depois de vários oferecidos. Sassá, Sóbis, outros não avançaram. Nos fixamos no mais jovem, avaliamos e confirma o potencial que achamos. A negociação foi por ai", afirmou Bolzan.

Segundo o mandatário, não foi uma rejeição aos mais rodados, que poderiam até dar resposta imediata e ter impacto maior com a torcida. Foi a ciência que o novato poderia dar resultado a longo prazo.

"É para renovar o time. Não tínhamos nesta posição jogadores jovens assim. O Luan às vezes não tem um jogador para o substituir. Ele (Thonny) tem tudo a ver com essa perspectiva que o Luan tem no time. Uma avaliação técnica foi feita, e não achávamos ele aposta, não era aposta, era seleção de base. Ele tem tudo a ver neste perfil de que estávamos querendo", completou.

O Grêmio contratou Anderson por empréstimo de um ano. Adquiriu, na negociação que levou Edílson ao Cruzeiro, 30% dos direitos dele e fixou em R$ 500 mil a compra de mais 40% com o vínculo definitivo, que hoje é do Cruzeiro.

Neste sábado, ele mostrou o quanto pode render. Deu chapéu, caneta, começou jogada de gol e fez mais um, o segundo com a camisa tricolor. "Estou para ajudar, onde o Renato precisar. Centralizado, de nove... Onde o Grêmio precisar eu quero jogar", disse. "Meu cartão de visitas foi no jogo contra o Veranópolis (fez o gol do Grêmio na derrota por 2 a 1), hoje coroamos com a vitória, fico muito feliz", completou Thonny.

Com 20 anos, ele é formado na base do Cruzeiro, mas jamais havia atuado no time principal em Minas Gerais. Ou seja, em jogos no profissional, tem dois gols marcados em três compromissos.

Futebol