Topo

Futebol


Em reunião, São Paulo faz cobranças sobre o trabalho de Dorival

Dorival Júnior ainda não conseguiu fazer o São Paulo engrenar em 2018 - Marcello Zambrana/AGIF
Dorival Júnior ainda não conseguiu fazer o São Paulo engrenar em 2018 Imagem: Marcello Zambrana/AGIF

Bruno Grossi

Do UOL, em São Paulo (SP)

22/02/2018 15h17

A diretoria do São Paulo e o técnico Dorival Júnior se reuniram no início da tarde desta quinta-feira para debater o momento atual do clube. Encontros do tipo são realizados sempre após as partidas do Tricolor e o desempenho ruim no revés por 2 a 1 para o Ituano foi, naturalmente, colocado em discussão. Os dirigentes externaram a insatisfação com o trabalho do treinador após dez jogos nesta temporada.

O São Paulo soma cinco vitórias, um empate e quatro derrotas no ano, sendo que no Campeonato Paulista soma apenas dez pontos e, mesmo liderando o Grupo B, tem campanha pior que times que estão em terceiro em outras chaves. Além dos resultados ruins, admitidos por Dorival, as cobranças foram direcionadas à qualidade de jogo apresentada pela equipe até aqui. Nenhum movimento para uma troca de comando foi feito.

A atuação mais regular do time no ano foi na vitória por 2 a 0 contra o Mirassol, quando pouco sofreu defensivamente e conseguiu pressionar o adversário o tempo todo. No restante das partidas, o que se viu foi um time lento e pouco agressivo no ataque e com deslizes na defesa. Dorival, entretanto, acredita que a equipe está em evolução, já que mostra esse crescimento nos treinamentos.

O técnico nunca escondeu que preferia seguir apostando em um time mais jovem e que as contratações de Nenê e Tréllez não estavam em seus planos. Valdivia, por outro lado, foi solicitado pelo treinador, que havia pedido outras duas peças: Gabigol, que acabou voltando ao Santos, e Robinho, hoje no Sivasspor, da Turquia. O São Paulo, institucionalmente, rejeitou negociar com o jogador que foi para o futebol turco e que é condenado por violência sexual pela justiça italiana.

A diretoria também sempre deixou claro que não dependeria apenas das vontades dos técnicos para montar o elenco e, assim, evitar heranças indesejáveis que supostamente foram deixadas por Rogério Ceni e Edgardo Bauza. Negam ainda que haja qualquer pressão para que esses reforços sejam escalados.

Dorival iniciou a pré-temporada prometendo apostar em jovens, com Shaylon, Lucas Fernandes e Brenner como titulares. Lucas cairia quando Christian Cueva entrasse em forma, mas os outros pareciam ter mais força para seguir no time. O caso mais sensível é o de Brenner, que treinou por dez dias como centroavante e só atuou assim no primeiro tempo contra o Novorizontino e em parte do segundo tempo contra o Madureira. Agora, a tendência é que o técnico retome o ideal de dar mais espaço aos garotos.

Futebol