PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Cruzeiro quer renovar por 3 anos e parcelar dívida por compra de Arrascaeta

Cruzeiro quer renovar contrato de Arrascaeta por três temporadas e parcelar dívida por compra do atleta - © Washington Alves/Light Press/Cruzeiro
Cruzeiro quer renovar contrato de Arrascaeta por três temporadas e parcelar dívida por compra do atleta Imagem: © Washington Alves/Light Press/Cruzeiro

Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte

17/02/2018 04h00

O Cruzeiro se reuniu com Javier Manzo e Daniel Fonseca, agentes de Giorgian De Arrascaeta, na manhã dessa sexta-feira (16), e ofereceu uma renovação por três anos ao jogador. Foi proposto também o parcelamento da dívida pelas contratações do camisa 10 e de Gonzalo Latorre.

"O Cruzeiro propôs uma renovação de contrato de mais três anos e vamos continuar a reunião na segunda-feira (19)", disse Itair Machado, vice-presidente de futebol, ao UOL Esporte.

A ideia é que o meia-atacante de 23 anos seja valorizado e tenha o compromisso prorrogado por três temporadas Toca da Raposa II. O atual vínculo do uruguaio se encerra em dezembro de 2019.

A valorização de Arrascaeta não foi o único tema do encontro ocorrido no período da manhã na Toca da Raposa II. A cúpula conversou também sobre a dívida pela contratação do atleta que pertencia ao Defensor Sporting, do Uruguai. Outro débito se tornou assunto no encontro: o referente à contratação de Gonzalo Latorre, ex-jogador do Club Atenas, também do país vizinho.

A dívida deixada pela antiga gestão do Cruzeiro é de 1,15 milhão de euros (R$ 4,6 mi) por Arrascaeta e 3,7 milhões de euros (R$ 12,02 mi) por Latorre.

Na mesma reunião, que contou também com um representante do Club Atenas, Itair Machado propôs o parcelamento dos débitos.

"Propôs também o parcelamento da dívida do Latorre. O Cruzeiro propôs para que tirasse a dívida da Fifa. Essa reunião vai continuar na segunda-feira à tarde", afirmou o vice-presidente de futebol.

A atual administração do Cruzeiro trabalha a fim de quitar as antigas dívidas do clube. A ideia é parcelar todos os débitos - cerca de R$ 50 milhões - deixados na Fifa.

Futebol