PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Promessas de 2000 brilham, mas quem está melhor? Paulinho ou Vinicius Jr.?

Paulinho, do Vasco, e Vinicius Jr, do Fla, se enfrentaram uma vez no profissional - Paulo Fernandes / Flickr do Vasco
Paulinho, do Vasco, e Vinicius Jr, do Fla, se enfrentaram uma vez no profissional Imagem: Paulo Fernandes / Flickr do Vasco

Bruno Braz

Do UOL, no Rio de Janeiro

16/02/2018 04h00

Nascidos nos anos 2000, Paulinho, do Vasco, e Vinicius Júnior, do Flamengo, despertaram a atenção mundial ano passado quando formaram o ataque do Brasil na conquista do Campeonato Sul-Americano sub-17. Hoje nos profissionais de suas respectivas equipes, já passam a desfrutar de protagonismo. O vascaíno, por ter um time mais dependente de seu futebol, soma mais jogos como titular e números um pouco mais expressivos. O rubro-negro, porém, ganha cada vez mais espaço com o técnico Paulo César Carpegiani e mostra que está se afiando para o Real Madrid, clube espanhol que já o comprou por cerca de R$ 175 milhões.

PAULINHO

  • Jogos: 24
  • Jogos como titular:18
  • Minutos em campo: 1.575
  • Gols: 5
  • Média de gols: 0,20
  • Assistências: 3

VINICIUS JÚNIOR

  • Jogos: 42
  • Jogos como titular: 8
  • Minutos em campo: 1.925
  • Gols: 6
  • Média de gols: 0,14
  • Assistências: 2

Paulinho, pelo Cruzmaltino, tem quebrado recordes e aponta como o próximo da fila a ser negociado para o futebol europeu. Com apenas 24 jogos como profissional, se tornou o primeiro jogador da geração 2000 a marcar gol na Copa Libertadores e no Campeonato Brasileiro. É, também, o mais jovem do clube a ir às redes por estas competições. No total, já balançou as redes cinco vezes, deu três assistências e soma 1.575 minutos em campo.

“É um momento muito importante para mim. Venho trabalhando muito para chegar nessa Libertadores e fazer um grande campeonato”, declarou o vascaíno.

Vinicius Júnior foi se soltando aos poucos no Flamengo e se destacou em alguns jogos, como nas quartas de final da Sul-Americana, no clássico com o Fluminense. Neste ano, começou com o pé direito e foi o grande nome na classificação para a final da Taça Guanabara ao fazer um lindo gol sobre o rival Botafogo na vitória por 3 a 1. Na comemoração, porém, criou polêmica ao fazer o gesto de “chororô” para provocar os alvinegros. A atitude gerou revolta no clube de General Severiano, que decidiu por impedir a cessão do estádio Nilton Santos para o time da Gávea.

“Faz parte da alegria do jogo. Faço isso desde a base e fiz agora para concretizar a vitória. Ninguém vai tirar isso de mim. Não fiz para provocar, mas para comemorar. Foi o meu primeiro gol em um clássico”, disse à ESPN Brasil.

A princípio, o atacante rubro-negro precisa se apresentar ao Real Madrid em julho, mas é possível que sua permanência no Ninho do Urubu se estenda até o fim deste ano.

Vinicius Júnior leva a melhor nos confrontos

Paulinho e Vinicius Júnior se enfrentaram uma única vez entre os profissionais, este ano, quando ficaram num empate por 0 a 0 pela Taça Guanabara. Na base, no entanto, o rubro-negro tem vantagem nos confrontos. Entre o sub-15 e o sub-17 foram quatro vitórias de Vinicius contra duas de Paulinho com dois empates. O atacante do Flamengo fez quatro gols contra três do vascaíno. Em relação a títulos, há um para cada lado. 

Futebol