PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Neymar respeitou Messi em pênaltis. Como será com Cavani?

Cavani marcou um na goleada do PSG, em um pênalti sofrido por Neymar - AFP/Bertrand GUAY
Cavani marcou um na goleada do PSG, em um pênalti sofrido por Neymar Imagem: AFP/Bertrand GUAY

João Henrique Marques

Do UOL, em Paris

25/08/2017 04h00

Neymar é derrubado na área e é pênalti para o PSG. Com rapidez, Cavani pega a bola e ainda recusa o pedido do brasileiro pela cobrança. É a mostra de que não será simples para o brasileiro cobrar as penalidades do novo clube.

A cena aconteceu na goleada por 6 a 2 contra o Toulouse, no último domingo, no Parque dos Príncipes, em Paris, pela terceira rodada do Campeonato Francês. E nesta sexta-feira, o roteiro se repetiu: Cavani recebeu de Neymar, foi derrubado na área e já pegou a bola para bater. Assim, ele abriu o placar da vitória tranquila por 3 a 0.

O pedido pela cobrança mostra que Neymar imaginava ter essa função no PSG. Uma conversa prévia com Cavani sobre o tema jamais foi feita. A atitude do brasileiro também mostra comportamento diferente do vivido nas quatro temporadas pelo Barcelona.

No ex-clube, Neymar sempre aceitou a posição de Lionel Messi como cobrador oficial. Com o passar do tempo, no entanto, o argentino permitia que o brasileiro tivesse chances em algumas cobranças. A diferença para o cenário atual com Cavani é que jamais Neymar tinha feito um pedido tendo Messi a bola na mão.

“Acontece que, quando você tem muitos jogadores de talento juntos, é normal pedir para bater uma falta, um pênalti. Acontece automaticamente. São coisas que passam dentro do campo e se resolvem lá em um segundo. Nada de outro mundo, me parece algo normal” minimizou Cavani.

Cavani foi o cobrador oficial de pênaltis do Napoli nas três temporadas que atuou no clube italiano (de 2010 à 2013). No PSG, o problema ao chegar foi se deparar com o sueco Zlatan Ibrahimovic e sua opção de não abrir mão de penalidades.

Já sem o sueco na temporada passada, Cavani assumiu o posto de cobrador oficial, tendo realizado nove no total, com oito conversões e apenas um desperdício.

“O que fiz foi dar sequência. Não só Neymar, como outros jogadores vão ter a chance de cobrar pênalti aqui. É necessário ter calma”, destacou o uruguaio.

“Não existe ciúme nem nada disso. É uma coisa conversada durante a partida. Ele estava bem para bater e fez o gol, é isso que importa. O que importa é ajudar a equipe”, disse Neymar.

Futebol