PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Por permanência, Wenger muda discurso sobre chegada de diretor de futebol

Em março, o treinador havia se colocado contra a contratação de um diretor de futebol - Alex Livesey/Getty Images
Em março, o treinador havia se colocado contra a contratação de um diretor de futebol Imagem: Alex Livesey/Getty Images

Do UOL, em São Paulo

20/05/2017 10h25

Arsène Wenger está no comando do Arsenal desde setembro de 1996. Vinte anos e alguns meses depois, o francês adota discurso favorável à mudança estrutural desejada pela diretoria e indica que deve permanecer no clube. A principal novidade deve ser a criação do cargo de diretor de futebol.

“É claro que nós podemos contar com ajuda para melhorar, estou sempre aberto a isso. Estou sempre aberto a coisas que possam melhorar nossa qualidade e o futuro do clube”, disse em coletiva à imprensa.

Mesmo assim, ainda se mostrou um pouco reticente sobre a mudança. “Mas depois disso, teremos que ver se vai ser mesmo eficiente. Nem sempre os títulos significam que alguma coisa melhorou”, acrescentou Wenger, que havia se colocado contra o novo cargo anteriormente.

“Não, não, não. Me desculpem, mas não estou preparado para falar sobre isso. Sou o técnico do Arsenal Football Club e, enquanto for técnico do Arsenal Football Club, eu vou decidir o que acontece no setor técnico do clube. É isso”, declarou em março.

Um diretor de futebol seria responsável por decisões que, até o momento, pertencem a Wenger. Isso inclui a observação e contratação de novos jogadores. A função é comum no Brasil, mas novidade na Inglaterra – o futebol inglês ainda investe no modelo de treinadores como “managers”.

Além de enfrentar o Everton neste domingo, às 11h (de Brasília) e pela última rodada do Campeonato Inglês, o Arsenal ainda vai encarar o Chelsea na final da Copa da Inglaterra no próximo sábado. O técnico conquistou três edições da Premier League nos últimos 20 anos: 1997/98, 2001/02 e 2003/04. Também levantou as taças da própria Copa da Inglaterra e a Supercopa da Inglaterra seis vezes cada.

Futebol