PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Salário não foi entrave para acerto e Mano terá mesma remuneração de 2015

Cruzeiro precisou de menos de 24 horas para entrar em acordo e oficializar Mano Menezes - Pedro Vilela/Light Press/Cruzeiro
Cruzeiro precisou de menos de 24 horas para entrar em acordo e oficializar Mano Menezes Imagem: Pedro Vilela/Light Press/Cruzeiro

Enrico Bruno e Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte

27/07/2016 06h00

O Cruzeiro ficou menos de 24 horas sem um treinador. Depois de anunciar a demissão de Paulo Bento às 12h da segunda-feira, o clube oficializou o retorno de Mano Menezes às 9h45 da terça-feira. Mesmo de férias no Caribe, o treinador não precisou de muito tempo para fechar com o clube.

A boa relação com a diretoria mineira facilitou a evolução rápida das conversas, inclusive sobre os vencimentos salariais, que não foram obstáculos. Apesar de ainda ter que pagar a multa de Bento, o Cruzeiro vai gastar com Mano a mesma quantia que o treinador recebeu em sua primeira passagem pela Toca.

"Tratamos a saída do Mano de forma respeitosa e profissional. No ano passado agradecemos ele pelo serviço prestado e mantivemos respeito e boa impressão com ele. Quando comunicamos ao Paulo sobre a decisão, procuramos o Mano para conversar", disse o diretor de futebol, Thiago Scuro, contando sobre a boa relação da cúpula celeste com o antigo e agora novo treinador.

Em sua primeira passagem pelo Cruzeiro, Mano Menezes recebeu um salário de R$ 500 mil mensais. Sete meses depois, o valor foi mantido para que o treinador tirasse novamente a equipe da situação ruim na tabela do Brasileirão. O treinador já encurtou suas férias e vai desembarcar em Belo Horizonte nesta quarta-feira. Mano não só vai comandar os treinamentos da tarde na Toca da Raposa, como também será apresentado e deverá estar à beira do campo na Vila Belmiro, diante do Santos, no domingo (às 11h).

No entanto, conforme já adiantado, a troca de Bento por Mano vai custar quase R$ 1 milhão por mês ao Cruzeiro. Além de arcar com os salários do novo comandante, o clube mineiro ainda terá que continuar pagando as remunerações mensais do seu ex-técnico. De acordo com o antigo contrato assinado com o português, o clube terá que pagar os salários (R$ 400 mil) até o final do vínculo, em dezembro de 2017, mesmo que Bento não esteja mais no comando durante este tempo.

Futebol