PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Com PM na Olimpíada, Vasco estuda locais para atuar fora do Rio

Vasco ficará sem São Januário em agosto por conta da Rio 2016 - Paulo Fernandes / Site oficial do Vasco
Vasco ficará sem São Januário em agosto por conta da Rio 2016 Imagem: Paulo Fernandes / Site oficial do Vasco

Bruno Braz

Do UOL, no Rio de Janeiro

24/07/2016 06h00

Único carioca com casa própria, o Vasco não vinha tendo problemas em mandar seus jogos na temporada, diferentemente de seus rivais. Em agosto, porém, o clube será pela primeira vez prejudicado pela Rio 2016. Como o Gepe (Grupamento Especial de Policiamento em Estádios) ficará a serviço da Olimpíada, o Cruzmaltino já estuda outras praças para atuar contra o Sampaio Corrêa (dia 20) e Vila Nova (dia 30).

“O presidente (Eurico Miranda) já até conversou comigo. Nossa ideia inicial é adiar as partidas, mas esbarramos na questão do calendário. Não tem data e, de repente, esse adiamento poderá nos prejudicar mais a frente caso a gente siga adiante na Copa do Brasil. Se não forem adiados, iremos procurar outra praça, mas a minha vontade é sempre jogar em casa”, declarou o técnico Jorginho.

A proibição surgiu a partir de um pedido da Polícia Militar acatado pela CBF, e os clubes cariocas não ficaram nem um pouco satisfeitos.

Os mais revoltados são Botafogo e Fluminense, que investiram na reforma do estádio Luso Brasileiro, na Ilha do Governador, e no Giulite Coutinho, em Edson Passos, respectivamente.

O Alvinegro, por exemplo, descarta qualquer possibilidade de levar seus jogos para fora do Rio de Janeiro. Na luta contra o rebaixamento, o clube quer contar com a sua casa nas três partidas que estão agendadas para agosto e correm risco: Palmeiras, dia 1, Grêmio, dia 7, e Sport, dia 20.

O Fluminense também seria bastante prejudicado. O clube é mandante em três jogos em agosto: Figueirense, dia 3, América-MG, dia 14, e Palmeiras, dia 28. O duelo com os paulistas, porém, foi negociado para fora do Rio, embora ainda não esteja definido o local exato. O Tricolor também aguarda um posicionamento da CBF para saber o que fazer.
 

Futebol