PUBLICIDADE
Topo

Futebol


Blogueiro é preso por difamar advogado de Luxemburgo e Joaquim Grava

Reprodução
Imagem: Reprodução

Diego Salgado e Pedro Lopes

Do UOL, em São Paulo

06/07/2015 20h23

O blogueiro e jornalista Paulo Cezar de Andrade Prado, conhecido como Paulinho, foi preso na tarde desta segunda-feira, em São Paulo, por difamação contra Antonio Carlos Sandoval Catta Preta, advogado do técnico Vanderlei Luxemburgo e do médico Joaquim Grava.

O mandado de prisão foi expedido em outubro do ano passado, mas Paulinho só foi detido nesta segunda, após meses foragido. O jornalista e blogueiro está preso na 34º DP, na Vila Sônia, zona oeste de São Paulo. Não cabe recurso à decisão do juiz José Zoéga Coelho. A ação penal foi promovida pessoalmente por Catta Preta.

Segundo o advogado, Paulinho foi processado diversas vezes por ele em nome dos seus clientes. Catta Preta explica que obteve êxito em todas as ações e por isso acabou atacado por Paulinho em alguns textos do seu blog. A reportagem entrou em contato com pessoas próximas ao jornalista. Um deles mostrou muita preocupação com o fato.

"Foram vários processos. Do Milton Neves, do Dr, Joaquim Grava, do Luxemburgo. Quando ganhei, ele passou a me atacar como advogado, no blog dele. Resolvi processá-lo pessoalmente. Entrei com uma queixa-crime contra ele por difamação, ele foi condenado e apelou, mas o tribunal confirmou a decisão", disse o advogado.

Segundo Iuri Delellis, advogado de Paulinho, não há condenação criminal em aberto relativa a Luxemburgo  Grava. "Tais condenações (se existem) devem se referir a processos cíveis", explicou. 

Paulinho, de acordo do Delellis, foi condenado em primeira instância, com pena de seis meses e 18 dias. Após a apelação, ela foi reduzida para cinco meses e 10 dias em regime semi-aberto.

O resumo da decisão confirma que a difamação ocorreu em matérias publicadas no blog do jornalista. "Ofensa irrogada em página virtual por conhecido blogueiro. Condenação à pena privativa de liberdade no regime semi-aberto, sem direito a benefícios. Réu com múltiplos antecedentes e mais de uma vez reincidente específico", diz o texto.

Paulinho também foi processado recentemente pelo presidente do São Paulo, Carlos Miguel Aidar. O processo, porém, não foi julgado. "O meu, não. O meu é decisão transitada e julgada. Tinha mandado de prisão expedido contra ele, sem recurso", explicou Catta Preta.

Futebol