Topo

Futebol


Mano tira Sheik de treino com titulares e se esquiva ao falar de rivais

Gustavo Franceschini

Do UOL, em São Paulo

28/03/2014 12h13

Emerson Sheik não participou do treino tático que Mano Menezes comandou para os titulares do Corinthians nesta sexta-feira. Em entrevista coletiva, o técnico explicou que o atacante, que trabalhou a parte técnica com outros reservas, negando qualquer tratamento especial.

“Nove jogadores estavam em trabalho técnico. Por que você não pergunta dos outros oito? Não temos nenhuma situação especial para o Emerson. Todos que não fizeram parte do 8 a contra 8 do trabalho tático estavam treinando a parte técnica em outro campo. Amanhã [sábado] é bem provável que repita o tático e eles venham trabalhar conosco. Quero que todos participem”, disse Mano Menezes.

Além de Emerson, estavam fazendo o treino técnico jogadores da base e outros reservas menos utilizados por Mano Menezes. No trabalho principal, Romarinho, Luciano e Guerrero, os demais atacantes do elenco, foram orientados diretamente pelo treinador, que focou no posicionamento da defesa em uma disputa de campo reduzido, gols menores e oito contra oito.

Emerson não joga desde o clássico contra o São Paulo, quando entrou no segundo tempo da derrota por 3 a 2. Desde então, teve dores na panturrilha, perdeu as duas últimas partidas do Campeonato Paulista e, com isso, aumentou as especulações sobre uma possível saída.

Enquanto tiver o jogador em seu elenco, Mano deve evitar polêmicas. Embora deixe o jogador relegado ao posto de segundo reserva do ataque, ele ainda o mantém no grupo e pode utilizá-lo caso tenha necessidade. Diante das câmeras, o objetivo é um só: evitar mais confusões.

Foi assim que ele agiu também ao ser questionado sobre os rivais, especialmente o São Paulo, eliminado do Estadual na última quarta. “Conversa também é velha, parece pão dormido. Não tem mais nada pra falar sobre isso”, disse Mano, quando um jornalista o questionou se teria sido a vontade dos “deuses do futebol”.

A expressão foi usada pelo próprio Mano há quase duas semanas, quando o Corinthians foi eliminado do Paulista após uma derrota do São Paulo. A insinuação de “entrega” custou caro ao treinador, que levou pito da diretoria. Nesta sexta, ele não quis falar nem de Palmeiras e Santos, que seguem na disputa.

“Tenho a impressão de que respondi essa pergunta em 2008 e disse que peru de fora não dá palpite, se a minha memória não falha”, disse Mano, sem falar em favoritos. 

Mais Futebol