PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Salário, mulher, recorde... Na Europa, artilheiros não celebram só por gols

Do UOL, em São Paulo

23/02/2014 06h00

O gol é o momento mais emocionante de um jogo de futebol. Em algumas situações, porém, a emoção do autor não se limita ao fato de ter balançado as redes. As principais ligas da Europa tiveram no sábado exemplos de que a comemoração após uma movimentação no placar pode ter uma série de significados implícitos.

O maior exemplo disso foi dado pelo atacante Giroud, que voltou a ser titular do Arsenal. O jogador anotou dois gols e ainda deu uma assistência na vitória por 4 a 1 sobre o Sunderland, válida pelo Campeonato Inglês.

Giroud comemorou beijando a aliança na mão esquerda. Nada original, certo? A diferença, no caso do atacante francês, é o que estava por trás do gesto. Ele viveu uma enorme crise conjugal recentemente, e chegou a usar a rede social Twitter para admitir que havia traído a mulher.

Em meio à crise no casamento, Giroud perdeu espaço no time. O técnico do Arsenal, Arsène Wenger, chegou a tirar o jogador da formação titular até que ele resolvesse os problemas matrimoniais. Será que a comemoração com beijo na aliança é parte de um plano para se reaproximar da mulher, agradecimento por uma segunda chance ou apenas uma homenagem?

Ainda na Inglaterra, outro jogador teve um motivo extra ao celebrar um gol. O Manchester United venceu o Crystal Palace por 2 a 0 fora de casa, e o segundo dos visitantes foi marcado por Wayne Rooney.

Na sexta-feira, um dia antes, o Manchester United havia anunciado a renovação do contrato com Rooney. O jogador passou a receber 300 mil libras (R$ 1,1 milhão) por semana, ou o equivalente ao dobro do salário do brasileiro Neymar no Barcelona.

E por falar em Barcelona, o time catalão jogou no sábado. Fora de casa, a equipe de Neymar foi superada por 3 a 1 pela Real Sociedad. O brasileiro, aliás, voltou a ser titular depois de um período no departamento médico.

A derrota tirou o Barcelona da liderança do Campeonato Espanhol e pode jogar o time catalão até para o terceiro lugar. Ainda assim, o gol teve um significado especial. Lionel Messi antou para os visitantes, e com isso se tornou o terceiro maior artilheiro da história da competição nacional.

Messi tem agora 229 gols, números que só perdem para os 234 de Hugo Sánchez e para os 251 de Telmo Zarra. O camisa 10 do Barcelona deixou para trás Raúl González, ídolo recente do Real Madrid.

“A Real Sociedad fez um bom jogo, mas a leitura que eu fiz da partida, nas montagem do time e nas substituições, não foi a correta”, admitiu Gerardo “Tata” Martino, técnico do Barcelona, que foi expulso no intervalo.

O novo líder do Campeonato Espanhol é o Real Madrid, que bateu o Elche por 3 a 0 no sábado. E o jogo dos merengues foi outro exemplo de motivação oriunda do extracampo.

Antes de a bola rolar, os jogadores fizeram uma emocionante homenagem ao avô do zagueiro Sergio Ramos, do Real Madrid. O parente do jogador morreu recentemente.

E a comemoração também teve um significado especial na Alemanha, onde o Hamburgo bateu o Borussia Dortmund por 3 a 0. Um dos gols foi marcado por Hakan Calhabnoglu em cobrança de falta de muito longe.

Antes de ele correr para a bola, o goleiro do Borussia Dortmund, Roman Weidenfeller, decidiu não montar barreira e abrir caminho para o chute. A comemoração de um gol também pode servir para bons desabafos.

Futebol