PUBLICIDADE
Topo

Notícias em primeira mão dos bastidores do futebol, informações exclusivas sobre o seu time, novidades do mercado da bola e o melhor do jornalismo esportivo em um só lugar. Só para assinantes UOL!

Problemas em transição do Avanti esbarram em diretor aliado de Galiotte

Diretor aliado do presidente Maurício Galiotte é alvo de questionamentos após problemas no programa Avanti - Fabio Menotti/Palmeiras
Diretor aliado do presidente Maurício Galiotte é alvo de questionamentos após problemas no programa Avanti Imagem: Fabio Menotti/Palmeiras

Do UOL, em São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Belo Horizonte

31/01/2019 04h00

O início de ano conturbado do Avanti esbarrou em Gesner Guiguet, diretor estatutário de marketing do Palmeiras. Opositores criticam a atuação dele no setor e indicam que a sua escolha foi feita apenas por proximidade ao presidente Maurício Galiotte. Os dois trabalharam juntos em uma empresa multinacional no passado. Além das críticas da oposição, ele também foi alvo de um protesto da Mancha Verde, que conta com membros que são aliados políticos da atual gestão. Apesar desta boa relação, a organizada tem feito críticas sistemáticas à conduta do plano de sócio-torcedor.

Escolher Gesner como o culpado causou estranhamento na diretoria palmeirense. Ele é apontado como nome competente para a atual função, além de se destacar por ser apolítico e discreto no dia a dia. Guiget não tem um histórico de participação no Conselho nas alamedas e trabalha em parceria com Roberto Trinas, que é o chefe remunerado do setor. Além disso, todas as decisões na reestruturação foram avalizadas por diversos departamentos. O diretor ainda foi um dos principais responsáveis por identificar que a Blackstar, empresa que tentou patrocinar o Alviverde, não passava de uma fraude. (Por Danilo Lavieri)

Vasco se acerta com Receita e fica perto de receber R$ 5 mi

Em nova reunião com a Receita Federal na última quarta-feira (30), o Vasco comprovou o pagamento das pendências financeiras com o órgão e está bem próximo de obter as tão sonhadas certidões negativas de débito (CNDs), algo que o presidente cruzmaltino, Alexandre Campello, tinha como objetivo ainda em janeiro. Restam agora apenas os trâmites burocráticos para o clube ter liberado os cerca de R$ 5 milhões retidos - ainda em referência ao antigo patrocínio da Caixa Econômica Federal - e ficar livre para angariar recursos oriundos de leis de incentivo. (Por Bruno Braz)

SPFC avalia futuro de volante que errou cavadinha na Copinha

O quarto título do São Paulo na Copa São Paulo de Futebol Júnior não foi composto só por bons momentos. O volante Cássio, que tentou cobrar pênalti com cavadinha, errou a batida e quase complicou a equipe nas quartas de final contra o Cruzeiro, tem o futuro discutido pelo Tricolor. O garoto, que tem contrato até 15 de outubro de 2020, é visto como um grande potencial técnico, mas gera preocupação pelo comportamento. Cássio é autor de vídeos provocando rivais, principalmente o Palmeiras, e leva esse estilo ousado também para o campo, muitas vezes de forma exagerada. (Por Bruno Grossi)

Santos: Sampaoli aprova, e Camilo entra na mira

O Santos segue em busca de atender os pedidos do técnico Jorge Sampaoli e reforçar o elenco. Nos últimos dias, o Peixe sondou o meia-atacante Camilo que pertence ao Internacional. O atleta tem aprovação do técnico argentino e pode chegar à Vila Belmiro de graça, já que seu vínculo com o clube gaúcho vai apenas até o meio deste ano. O jogador não está nos planos do técnico Odair Hellmann e sequer foi inscrito no estadual. O Santos tem carência na posição, principalmente após o pedido de rescisão amigável de Bryan Ruiz e a liberação de Rafael Longuine. (Por Eder Traskini e Marinho Saldanha)

Atlético-MG: Vice tenta contornar crise com financeiro

Lásaro Cândido Cunha, vice-presidente do Atlético-MG, ficou inconformado com a saída de Carlos Fabel do cargo de diretor de finanças e orçamento. O cartola pediu ao amigo, com quem trabalhou nos últimos dez anos, para se reunir no decorrer da próxima semana. Ele quer demovê-lo da ideia de deixar o Galo e contornar a crise. Porém, Fabel, que se recupera de uma cirurgia, segue irredutível após as divergências que teve com o presidente Sérgio Sette Câmara. Ele aceitou conversar com Lásaro, mas não quer voltar ao Atlético neste momento. Embora já tenha comunicado a saída há uma semana, Carlos Fabel ainda não assinou o documento que o desliga oficialmente do clube. Ele aguarda a volta de Sette Câmara a Belo Horizonte para finalizar os detalhes do adeus à Cidade do Galo. (Por Thiago Fernandes)