PUBLICIDADE
Topo

UOL de Primeira

Os bastidores do futebol em primeira mão


UOL de Primeira

Com permanência encaminhada, Tite e comissão não terão aumento de salário

Com a queda precoce na Copa do Mundo, Tite perdeu poder de barganha com a CBF para a renovação - REUTERS/John Sibley
Com a queda precoce na Copa do Mundo, Tite perdeu poder de barganha com a CBF para a renovação
Imagem: REUTERS/John Sibley
Exclusivo para assinantes UOL

Do UOL, em São Paulo

25/07/2018 00h01

Em concordância com a CBF, Tite não terá problemas para seguir à frente da seleção brasileira, mas também não terá grandes mudanças em seu novo contrato. O acerto encaminhado entre as partes não prevê aumento salarial para o técnico e os membros da comissão técnica que forem permanecer para os próximos quatro anos.

Sem a conquista da Copa, Tite perdeu qualquer poder de reinvindicação de ajuste. Internamente, na confederação, a ordem é reduzir o poder da comissão técnica e controlar de perto o trabalho do grupo antes festejado por recuperar a equipe e chegar ao Mundial com status de favorito. Agora, Tite e seus auxiliares terão de reconquistar tal prestígio. Após reuniões no início desta semana, a ideia de ambas as partes é que a renovação seja celebrada nos próximos dias. (Por Pedro Ivo Almeida)

CBF: Investigado, assessor da Era Teixeira é demitido

Figura importante das gestões de Ricardo Teixeira, José Maria Marin e Marco Polo Del Nero, o assessor especial da presidência da CBF, Alexandre Silveira, foi demitido da entidade na última segunda-feira (23). A decisão faz parte de uma espécie de “limpeza” organizada pelo CEO e futuro mandatário da confederação, Rogério Caboclo. Investigado pelo FBI por participação nos esquemas de corrupção envolvendo cartolas do futebol, Alexandre não era visto com bons olhos pelo novo grupo de comando da entidade. Sua ligação íntima com cartolas poderosos, no entanto, dificultava o desligamento.

UOL de Primeira