PUBLICIDADE
Topo

Notícias em primeira mão dos bastidores do futebol, informações exclusivas sobre o seu time, novidades do mercado da bola e o melhor do jornalismo esportivo em um só lugar. Só para assinantes UOL!

Coutinho não tem multa rescisória. E isso deve mantê-lo no Liverpool

Philippe Coutinho, do Liverpool, interessa ao Barcelona. Modelo de contrato, no entanto, é proibitivo -  Reuters/Craig Brough
Philippe Coutinho, do Liverpool, interessa ao Barcelona. Modelo de contrato, no entanto, é proibitivo
Imagem: Reuters/Craig Brough

Do UOL, em São Paulo

27/07/2017 04h00

O Barcelona fez uma proposta de mais 80 milhões de euros, mas a saída de Philippe Coutinho do Liverpool está travada. Um dos principais problemas é o contrato do meia com o clube inglês, assinado em janeiro deste ano, que não possui multa rescisória. Na Inglaterra, esse tipo de cláusula é algo incomum, que não encontra base na legislação local. A premissa é que o compromisso assinado tem de ser cumprido até o fim, a não ser que clube e jogador entrem em um acordo para o rompimento.

Com isso, o Barcelona não tem alternativa que não seja convencer a diretoria do Liverpool e o treinador Jurgen Klopp a negociarem seu principal jogador. À De Primeira, uma fonte ligada ao clube inglês diz que a chance de uma proposta ser aceita, com qualquer valor, é zero. Pelo perfil do jogador e pela relação com Coutinho, ninguém no Liverpool acredita que, diante da negativa, o meia faça força para sair. Ainda que isso aconteça, não mudaria a disposição do clube em não liberá-lo. (por Dassler Marques e Pedro Lopes)

São Paulo: Clube à disposição no “caso Cipriano”

O São Paulo está à disposição, caso assim a Justiça exija, para apresentar os documentos relativos à compra do atacante Marquinhos Cipriano, datados de setembro de 2015. A transação é alvo de uma disputa entre a empresa LP Sports, Negócios e Eventos Esportivos e o Desportivo Brasil, clube que vendeu o jogador ao Tricolor. 

A empresa, que cuida da escolinha de futebol responsável por levar Cipriano ao Desportivo, diz ter direito a receber 20% do valor da venda, estimada em R$ 1 milhão. Assim, receberia R$ 200 mil, valor que nunca foi repassado e que é contestado pelo Desportivo. A LP, então, entrou com ação cautelar para exibição de documentos e agora espera que a Justiça acate ou não o pedido. O São Paulo só entra no caso se o Desportivo seguir se recusando a mostrar o contrato da venda e se o juiz optar por solicitar a versão tricolor do documento, que comprovaria o quanto a LP tem direito a receber. (por Bruno Grossi)

São Paulo: Ata para transparência

O Conselho de Administração do São Paulo se reuniu no último dia 20 e, após sugestão de Julio Casares, membro do órgão, as atas dos encontros passarão a ser publicadas no site oficial do clube. O primeiro documento já foi ao ar na última terça e mostra que uma promessa da diretoria financeira foi cumprida. O diretor da pasta, Elias Barquete Albarello, apresentou as novidades das finanças do clube, mostrando como a venda de jogadores no ano pode contribuir para a redução das dívidas. Agora, Albarello pode repetir o procedimento com o Conselho Deliberativo e até com a imprensa, para que os números cheguem ao conhecimento dos torcedores. (por Bruno Grossi)

Elogiada fora, biometria é polêmica em Curitiba

A biometria, sugerida aos clubes do Rio como medida contra a violência no futebol, já executada pelo Atlético-PR e é tema de discussões em Curitiba. A verificação de digitais já existe para as organizadas há algum tempo e agora tem sido implementada para os demais sócios do clube, gradualmente. Na Arena da Baixada, sócio tem acesso livre aos jogos e muitos têm mais de uma cadeira, que habitualmente pode ser emprestada para outro usar. Com a biometria, isso vai acabar. Sócios que têm duas ou mais cadeiras para levarem amigos e família terão no máximo direito a indicar e cadastrar um usuário extra. Há um movimento que pretende levar para a Justiça a discussão da medida, em vigor a partir de 15 de agosto. Além dos sócios que prometem entrar na justiça para tentar barrar, há um fluxo de evasão social que tem reduzido o quadro do clube. (por Napoleão de Almeida)

CBF tem um “Sr. Compliance”

Diretor-executivo da CBF, Rogério Caboclo tem sido chamado informalmente por cartolas de federações e de alguns clubes de "Sr. Compliance". Qualquer solicitação feita pela cartolagem esbarra em Caboclo, que muitas vezes alega as regras de “compliance” para barrar pedidos, o que gerou o apelido. “Compliance”, ou conformidade, é a atividade dentro da empresa que tenta respeitar as normas e procedimentos. A CBF até criou recentemente uma diretoria de conformidade e governança, que tem outra pessoa, e não Caboclo, comandando. (por Marcel Rizzo)

Corinthians: Alvará da Arena renovado

A Prefeitura de São Paulo renovou, na última semana, o alvará de funcionamento da Arena Corinthians. O estádio corintiano está liberado para funcionar com pouco mais de 49 mil pessosas, próximo de sua capacidade total, de 49.688. A autorização também é válida para estacionamento e todo o entorno do estádio. (por Pedro Lopes)

Palmeiras: Mancha presta contas por brigas em Recife

A Mancha Verde procurou o Ministério Público, a Secretaria de Segurança Pública e a Polícia Civil de São Paulo para prestar explicações sobre a briga que envolveu seus membros e torcedores organizados do Sport no último fim de semana, em Recife. Os palmeirenses alegam que foram vítimas de uma emboscada organizada pelos policiais pernambucanos, que, na versão da Mancha, preferiram defender os torcedores locais. O promotor Paulo Castilho, do MP-SP, recebeu áudios e vídeos que serviriam como prova também de maus tratos aos torcedores alviverdes na delegacia que atendeu a ocorrência. Vários torcedores perderam o voo de volta para São Paulo durante a madrugada. (por Danilo Lavieri)