PUBLICIDADE
Topo

Copa 2018

Em carta, capitães de seleções rivais do Peru pedem Guerrero na Copa

Paolo Guerrero com a camisa da seleção do Peru - David Mercado/Reuters
Paolo Guerrero com a camisa da seleção do Peru Imagem: David Mercado/Reuters

Do UOL, em São Paulo

21/05/2018 16h59

Classificação e Jogos

Paolo Guerrero ganhou mais aliados em sua luta para tentar disputar a Copa do Mundo. Nesta segunda-feira, os capitães das seleções da França, Dinamarca e Austrália assinaram uma carta pedindo à Fifa para deixar o atacante do Flamengo representar o Peru no Mundial de 2018.

Confira a tabela completa e o calendário de jogos
Simule os classificados e o mata-mata do Mundial
DOC: a Rússia Gay que não pode sair do armário

A carta foi anunciada pela Associação de Jogadores Profissionais (Fifpro), e assinada pelo goleiro francês Hugo Lloris, do Tottenham, o zagueiro dinamarquês Simon Kjaer, do Fenerbahçe, e o volante Mile Jedinak, do Aston Villa. Os atletas representam as seleções que enfrentarão o Peru no Grupo C da Copa do Mundo.

Os capitães das equipes pedem clemência à pena de Guerrero e sugerem à entidade máxima do futebol que ela passe a ser cumprida por Guerrero após a participação do Peru na Copa terminar.

Os jogadores se juntam agora à própria associação, que havia classificado a pena de 14 meses como "injusta e desproporcional", alegando que Guerrero não teve intenção de consumir a substância benzoilecgonina, principal metabólito da cocaína e da folha de coca, após o empate sem gols entre Peru e Argentina, em Buenos Aires, pelas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018. O metabólito está na lista de substâncias proibidas.

No último domingo (20), o jogador viajou à Suíça para se encontrar com Gianni Infantino, presidente da Fifa. Antes do embarque, seus compatriotas marchavam em apoio ao atacante na cidade de Lima.

A audiência do jogador com o mandatário foi solicitada pelo presidente da Federação Peruana de Futebol (FPF), Edwin Oviedo, há três dias. O mandatário da entidade, que acompanhará o goleador no encontro, enviou uma carta ao presidente, que foi publicada pela imprensa local.

Leia na íntegra a carta dos capitães

Nós estamos escrevendo para vocês em relação à situação do capitão da seleção do Peru, o senhor Paolo Guerrero. Pelos últimos 14 anos ele representou o seu país com orgulho, perseguindo a classificação para Copa do Mundo. Finalmente esse momento chegou, com a classificação do Peru para a fase de grupos do Mundial da Rússia. Peru voltou ao último estágio da competição após 36 anos e nós acreditamos que Paolo Guerrero deve receber a permissão de levar sua nação e celebrar o que será um destaque em sua carreira.

Como vocês estão sem dúvidas cientes, Paolo Guerrero foi sancionado na semana passada pelo Tribunal de Arbitragem do Esporte (CAS) com a proibição de jogar futebol por 14 meses, o que resulta em ele ser impedido de fazer sua estreia na Copa do Mundo. Isso apesar da conclusão anterior da FIFA de que Paolo “foi capaz de estabelecer que a descoberta analítica adversa foi causada pela ingestão de um chá contendo a substância proibida”. Além disso, no procedimento de apelação, o CAS concluiu que Paolo “não tentou melhorar seu desempenho ao ingerir a substância proibida”. Portanto, é claro para todos que Paolo Guerrero não pretendia trapacear.

Dadas as circunstâncias excepcionais que dizem respeito a este assunto, pedimos respeitosamente ao Conselho da Fifa que demonstre compaixão por Paolo Guerrero, que deu o seu melhor para a sua seleção desde 2004 e alcançou recentemente uma das maiores honras possíveis para qualquer jogador da seleção nacional; qualificando-se para a Copa do Mundo da FIFA. Em nossa opinião, seria claramente errado excluí-lo do que deveria ser o auge de sua carreira - um feito pelo qual ele tanto trabalhou, e por tantos anos - com base em uma descoberta que confirma que ele não pretendia para enganar e não pretendia melhorar seu desempenho com substâncias proibidas.

Como tal, recorremos ao Conselho da FIFA e gentilmente apresentamos um pedido urgente de clemência pedindo ao Conselho da FIFA para interromper temporariamente a proibição imposta a Paolo Guerrero durante a Copa do Mundo de 2018 na Rússia, com a suspensão a recomeçar na conclusão da participação do Peru na competição. Acreditamos que, no interesse da imparcialidade e proporcionalidade, e levando em consideração as circunstâncias excepcionais do presente assunto, Paolo que - como todos concordam, não trapaceou - deveria poder participar com, e contra, seus colegas profissionais da FIFA World Copo. Como tal, acreditamos firmemente que uma interrupção temporária seria uma solução justa e equitativa.

Como não vemos nenhum outro órgão da Fifa que seja responsável por este pedido de clemência é submetido ao Conselho da FIFA de acordo com o artigo 34 par. 12 dos Estatutos da FIFA, que estipula que: “O Conselho tratará de todos os assuntos relativos à Fifa que não se enquadrem na esfera de responsabilidade de outro órgão, de acordo com os presentes Estatutos.“

Em nome da FIFPro, nós, os capitães das seleções da Austrália, Dinamarca e França, que são adversários do Peru na fase de grupos da Copa do Mundo, gostaríamos de agradecer a atenção e a consideração de nossas opiniões expressas acima.

Estamos ansiosos para receber sua decisão sobre o assunto o mais rápido possível, dado o prazo de 4 de junho para todos os países da Copa do Mundo anunciarem que sua equipe de 23 homens está se aproximando rapidamente.

Copa 2018