Topo

Mauricio Stycer


Globo pede que torcedor não esqueça "o tanto que Neymar lutou" na Copa

Tadeu Schmidt lê editorial em defesa de Neymar no encerramento do Fantástico  - Reprodução/TV
Tadeu Schmidt lê editorial em defesa de Neymar no encerramento do Fantástico Imagem: Reprodução/TV
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer

É jornalista desde 1986. Repórter e crítico do UOL, autor de um blog que trata da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

Colunista do UOL

09/07/2018 10h55

O “Fantástico” levou ao ar uma espécie de editorial, no final da noite de domingo (08), pedindo aos espectadores que sejam mais condescendentes com Neymar. “Que a imagem do Neymar no chão não esconda o tanto que ele lutou, todo o brilho que ele produziu de pé”, pediu Tadeu Schmidt ao fim da mensagem, de três minutos.

Antes, o apresentador do “Fantástico” reconheceu que a Copa na Rússia frustrou as muitas expectativas que os brasileiros depositavam no jogador. “Veio pra Rússia com a expectativa de se consagrar para o resto da vida. Quando deixou a Rússia, as pessoas só conseguiam pensar na imagem dele no chão”, disse.

Depois de mostrar alguns dos memes feitos com imagens do jogador, Tadeu lamentou que Neymar tenha se transformado em uma piada global. “Típica bola de neve incontrolável da internet. Viralizou. Mas é justo isso?”

E questionou: “Como pode haver tanto barulho se não houver motivo? O Neymar é cai-cai realmente ou ele realmente apanha demais? Ou as duas coisas? O Neymar exagera ou estão exagerando com o Neymar? Ou as duas coisas?”

O apresentador, então, passou à defesa explícita de Neymar: “O cara quebrou o pé um dia desses e não ficou dando desculpinha. Foi lá e jogou, sem ficar reclamando se tava sentindo isso ou aquilo. Ele tava jogando no sacrifício”.

Com todo cuidado, observou: “Talvez Neymar tenha exagerado. Talvez eles mesmo tenha percebido. Reparou que ele quase não ficou no chão no último jogo? Reclamou aqui e ali, nada anormal.”

E, então, o “Fantástico” sugeriu que o jogador não é o único a simular em campo, mostrando imagens de Cristiano Ronaldo enquanto Tadeu Schmidt dizia: “Neymar é ídolo de milhares de crianças. Ele não quer, ninguém quer, ter a sua imagem ligada a algo que possa ser interpretado como trapaça. Algo que, diga-se de passagem, um monte de gente boa faz, aqui na Copa, inclusive. Só que ninguém pega essa fama. Por que só o Neymar?”

Em seguida, exibindo o gol de Maradona com a mão na Copa de 1986 e a simulação de Rivaldo na Copa de 2002, Tadeu acrescentou: “Houve um tempo em que era bonito ludibriar o juiz. Houve um tempo em que isso não incomodava ninguém. Hoje não se tolera mais”.

Rizek e Casagrande têm visões diferentes

O editorial lido por Tadeu Schmidt contrasta com as opiniões expressas por alguns comentaristas do Grupo Globo. Andre Rizek, apresentador do “Seleção SporTV”, fez um diagnóstico duro sobre o desempenho de Neymar na Copa. O texto, lido no último sábado (07), conclui que o jogador deixou a Copa como “piada mundial”.

"Jogadores como Cruijff, Puskás e Doutor Sócrates perderam Copas do Mundo, normal na vida de qualquer craque, mas saíram delas venerados pelo mundo. Neymar, é triste dizer isto, como brasileiro, como fã do moleque que me encantou desde seu primeiro gol pelo Santos, eu estava lá no Pacaembu comentando o jogo, deixa a Rússia como piada mundial", disse Rizek.

Casagrande, comentarista da Globo, também não economizou nas críticas ao fazer um balanço da participação de Neymar na Copa em sua coluna da revista “GQ”. No texto, publicado no domingo (08), Casão lamenta a postura do jogador de não dar entrevistas depois da eliminação do Brasil da Copa.

"Falar via Instagram é fácil e pouco significa. Num país como o Brasil, onde a desigualdade é enorme e o futebol é um dos poucos escapes da população, esperança e frustração caminham lado a lado, seja na torcida do clube de coração ou da seleção. Quem quer liderar, precisa estar presente também nas horas difíceis e saber se portar diante das cobranças", escreveu.

Mais Mauricio Stycer