PUBLICIDADE
Topo

Blog do Rodrigo Mattos


Como Corinthians espera compensar perda financeira pela Libertadores

Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

19/02/2020 04h00

Classificação e Jogos

Ao ser eliminado da Libertadores na fase classificatória, o Corinthians deixou de ganhar R$ 15 milhões em cotas da fase de grupo e do jogo seguinte, fora rendas de bilheteria. O impacto no orçamento corintiano é discutível já que o diretor financeiro, Matías Ávila, diz que essas rendas não estavam previstas no planejamento financeiro. Fato é que o clube teria de obter premiações extras na Copa do Brasil ou no Brasileiro para compensar os valores perdidos, além de contar com a venda de Pedrinho.

No primeiro orçamento apresentado ao Conselho Deliberativo, em dezembro, a diretoria corintiana previa uma classificação na Libertadores até as oitavas de final, o que daria uma premiação de R$ 20 milhões. No total, o clube estimou em receitas de tv e prêmio, um total de R$ 230 milhões.

Perguntado pelo blog, Ávila disse que não foram incluídos no orçamento valores da fase de grupo e das oitavas, apenas da terceira fase da Libertadores, em um total de US$ 550 mil. "Exatamente! Sem fase de Grupos! Deixamos de faturar 1 jogo de 550 mil dólares! Apesar das despesas que seriam gastas", afirmou o diretor de finanças corintiana.

O orçamento aprovado recentemente não tem a explicação sobre cotas da Libertadores. No documento, é mantida a estimativa de R$ 230 milhões com direitos de TV e premiações das competições, não é explicado como é a divisão por competição. Não foram incluídas as notas do primeiro documento entregue ao Conselho.

O clube previu chegar pelo menos às oitavas de final da Copa do Brasil, fase que já está garantida, e ficar pelo menos em sétimo no Brasileiro. É nessas competições que o Corinthians pretende compensar a saída da Libertadores, segundo apurou o blog. As contas do clube são de que uma segunda posição no Nacional significaria um ganho similar ao da Libertadores.

As cotas por posição na Série A estão em discussão, mas uma subida de cinco posições, hoje, representaria R$ 8 milhões a mais. Mas, de fato, chegar até a final da Copa do Brasil geraria R$ 20 milhões extras com um vice-campeonato.

A diretoria corintiana ainda analisa que a venda de Pedrinho pode superar a meta de negociações que é de R$ 65 milhões. Se ele de fato for negociado para o Benfica, poderia ser um ganho extra em relação ao previsto no orçamento.

Há ainda o impacto na bilheteria. O Corinthians previu R$ 70 milhões de receita com venda de ingressos. No ano passado, sem Libertadores, ficou abaixo da meta prevista: ganhou R$ 63 milhões. Matías Avila disse não seria necessária mudança no orçamento neste item.

O dinheiro de arrecadação de jogos não tem impacto no orçamento do clube, mas no pagamento das parcelas da dívida do BNDES pela arena. São necessários R$ 60 milhões líquidos por ano para quitar as parcelas acertadas originalmente em contrato com o banco estatal e a Caixa Econômica Federal. Atualmente, a Caixa entrou com um processo contra o clube e os pagamentos estão suspensos até que se chegue a um acordo.

Blog do Rodrigo Mattos