PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Mattos

Vice do Flamengo: 'Levamos muito dinheiro à Globo e queremos a remuneração'

Jogadores do Flamengo comemoram no Maracanã em jogo contra o Vasco pela 2ª rodada do Carioca - Thiago Ribeiro/AGIF
Jogadores do Flamengo comemoram no Maracanã em jogo contra o Vasco pela 2ª rodada do Carioca Imagem: Thiago Ribeiro/AGIF
Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

23/01/2020 04h00

Depois de longo tempo, o Flamengo teve dois jogos seguidos com apagão de televisão por não chegar a um acordo com a Globo para a venda dos direitos do Campeonato Carioca. A negociação chegou a esse impasse porque o clube fez três propostas à emissora de aumento do contrato, enquanto a Globo respondeu que só aceitaria renovar com o mesmo valor de 2016 reajustado pela inflação. É o que conta o vice-presidente de comunicação e marketing rubro-negro, Gustavo Oliveira, ao blog, ressaltando que, nestas condições, não há chance de acerto.

A realidade é que ambas as partes admitem que a diferença é grande entre as ofertas. A Globo defende o pagamento igual a todos os clubes por um desequilíbrio do campeonato, como explicado pelo diretor da empresa, Fernando Manuel, em entrevista ao Globoesporte.com. Já o vice do Flamengo aponta existir uma contradição nesta posição, lembrando que no Brasileiro a remuneração entre os clubes é variável, dependo de posições, jogos exibidos e assinantes de pay-per-view. E, na visão do dirigente, há mais mérito nesta divisão do Nacional.

O pacote de jogos pagos da Globo, por sinal, é um ponto central desta disputa. O Flamengo diz que só é remunerado especificamente pelo ppv em oito meses do ano quando é realizado o Brasileiro. Nos quatro meses do Estadual, seus jogos estavam no pacote, mas o clube era pago por uma cota fixa sem considerar o percentual de torcedores, que é próximo de 20% dos assinantes. O clube quer receber no Estadual com o patamar do Nacional. Não revela valores, mas diz ter apresentado soluções criativas para a emissora.

No final das contas, o rubro-negro Gustavo Oliveira ressalta: "O Flamengo leva muito dinheiro para a Globo e quer ser remunerado". Sem incluir o dinheiro no orçamento de 2020, a diretoria do clube já decidiu que pode prescindir dos recursos do Carioca se não houver uma boa oferta. Explicou isso a patrocinadores e torcedores que ficam sem a exibição da marca ou sem ver o jogo. O impasse, atualmente, não tem nenhuma luz no final do túnel.

Blog: Qual foi a proposta que eles (Globo) apresentaram para vocês (Flamengo)?

Gustavo Oliveira: A proposta que eles apresentaram e que eles mantêm até hoje é continuar o que foi fechado em 2016, corrigido pelo IPCA e tal. Ponto. Fazer exatamente igual. Não tem proposta nenhuma. Outro dia eu estava brincando aqui apareceu "O Flamengo já aceitou são R$ 30 milhões, a Globo ofereceu R$ 30 milhões". Não é verdade.A Globo ofereceu R$ 17 milhões e alguma coisa, manutenção de 2016. Não se mexeu em absolutamente nada diferente.

Blog: Houve alguma proposta que não fosse uma cota fixa, algo com variável?

Gustavo Oliveira: Não, zero, é exatamente a mesma proposta de 2016. Ponto. Eles nem falaram da proposta de 2016, eles falaram, "Gustavo, a Globo quer estender contrato de 2016 para igualar o contrato dos outros três clubes e da Ferj". Na realidade, o contrato que eles têm. Só para lembrar eles fecharam um contrato de oito anos com Ferj, Botafogo, Fluminense e Vasco. E com o Flamengo fecharam por três anos. Eles querem continuar com o contrato, mantendo o que a gente tem.

Blog: E qual foi a contraproposta do Flamengo?

Gustavo Oliveira: A gente fez uma contraproposta que a gente acha adequada. Não queria falar de números que a gente apresentou. Nós fizemos uma análise de quanto eles pagam pelo Brasileiro, e atualizamos isso. Depois chegamos a um número X lá que eles nem deram uma contraproposta a nossa contraproposta. Falaram: "Ah, não Gustavo, isso aí não dá, é mais do que a gente estava pensando. A gente está pensando em manter 2016. Essa é a posição da Globo." Então, não há uma neogicação. Há um comunicado da Globo que quer pagar X que é o que pagavam em 2016.

Blog: Sem falar em valores Gustavo, a informação que tive é de que a diferença é bem grande e significativa e chegava a quatro vezes de um valor a outro...

Gustavo Oliveira: A diferença é grande e não foi nem negociada. A gente inclusive se propôs em cima de um valor de a gente comprar algumas propriedades deles. Demos uma série de possibilidades para valorizações que a gente pensava em ter. Não precisava ser o valor financeiro todo. É óbvio que tinha que ter um aumento de dinheiro, mas tem outras propriedades que o Flamengo receberia em troca de não chegar a um valor X de dinheiro. Ou seja, seria uma negociação. Aí "Nesse momento, a gente acha que é importante manter o mesmo raciocínio para todos os clubes, manter a mesma coisa, nós não queremos mudar" Zero problema em relação a isso.

Blog: Por que o Flamengo entende que vale mais do que os outros clubes que estão recebendo a cota de R$ 17/R$ 18 milhões?

Gustavo Oliveira: É difícil a gente falar que vale mais. Flamengo vale o que Flamengo vale. Se outro clube vale mais ou menos, é problema do outro clube. Não queria entrar especificamente em outro clube. Eles fizeram um contrato de oito anos em uma administração passada. Não sei se o Campello (presidente do Vasco) gosta do contrato que existe, se o Mário Bittencourt (presidente do Fluminense) gosta, se o presidente do Botafogo Nelson gosta. Fato é que eles têm um contrato e têm que manter o contrato como está. O Flamengo não gosta desse contrato e a gente tem uma janela que pode negociar esse contrato ou não ficar com esse contrato. Por que a gente tem que pensar o seguinte: existe a possibilidade de não ficar. A gente não botou no nosso orçamento o direito de transmissão do Carioca. Essa administração se não chegar a um valor que acha razoável, a gente não vai fechar. Está zero lá. Não tenho esse problema.

Blog: O Flamengo não está sendo remunerado já pelo Pay-per-view pelo contrato que tem do Brasileiro?

Gustavo Oliveira: Não, o nosso acordo com a Globo, a gente pega o que ela fatura nos meses do Brasileiro e paga um percentual para o clube. É igual para todos os clubes.

Blog: Vocês entendem que, pelo valor de R$ 18 milhões, não eram remunerados pelo pay-per-view do Carioca?

Gustavo Oliveira: Se houvesse pagamento pelo pay-per-view, você teria valores separados. Você ganha um percentual do ppv desses quatro meses sobre os quais não somos remunerados. Mas, se fôssemos, que esses R$ 18 milhões de todos os clubes também incluem pay-per-view... Digamos que seja essa a argumentação da Globo. Então tem alguma coisa errada. Porque o Fluminense, Vasco e Botafogo têm ppv cada um diferente. Deveria ser diferente.

Blog: Na sua proposta, vocês fizeram alguma menção de que houvesse uma divisão ali entre as plataformas?

Gustavo Oliveira: Não é uma preocupação os outros clubes porque eles têm contrato de oito anos. Se eles acham bom ou ruim, é uma negociação deles. Nesse momento, essa administração disse: "Olha, nós não estamos sendo remunerados percentualmente pelo que a gente traz para o pay-per-view." E aí é essa discussão.

Blog: Quando o diretor da Globo (Fernando Manuel) deu uma entrevista para o site da Globo e disse que não quer que tenha um desequilíbrio nos campeonatos e, por isso, diz que não quer que tenha cotas diferenciadas, o Flamengo entende que haveria um desequilíbrio se ele tivesse uma cota maior do que os outros três grandes?

Gustavo Oliveira: Não é questão de desequilíbrio. A questão é do que o Flamengo traz de dinheiro para a Globo. Vamos mudar um pouco o conceito. Flamengo traz dinheiro para Globo em audiência e em pay-per-view. E efetivamente traz mais dinheiro para a Globo do que alguns outros clubes A, B, C. Fato é esse. No momento em que você tem 19% do pay-per-view do Brasil e outros têm um pouco menos, ou bem menos, você traz dinheiro para a Globo. E a gente acha justo nós recebermos parte do dinheiro que a gente leva para a Globo. Esse é o fato.

Então, tá tudo igual? Vou dar um exemplo: você tem um programa de grande audiência na Globo e tem um comercial de 30 segundos. Você tem um programa de boa audiência na Bandeirantes, a audiência certamente é menor. Qual é o valor maior dos 30 segundos do comercial? O da Globo ou da Bandeirantes, se a Globo for cinco, seis vezes a audiência? A Globo cobra isso. É uma meritocracia, e ela está certíssima porque fez um trabalho bom para o programa ter maior audiência. No dia que a Globo cobrar o mesmo do menor programa da Bandeirantes, talvez esse discurso caiba. Mas eles têm diferença. O que é normal. Se tem mais atratividade, isso conta. Uma coisa clara no Brasileiro, nem estamos discutindo isso, mas a Globo está mostrando menos jogos do Flamengo do que de outros times.

Blog: E de outros times também, como Corinthians e São Paulo...

Gustavo Oliveira: De outros também. Por quê? São produtos que atraem mais o pay-per-view, merecidamente. Se a gente pegar o item transmissões esportivas, a gente ganha menos do que vários clubes. Você pega o item performance, o Flamengo estaria ganhando menos se não estivesse ganhando no campo. Onde que o Flamengo ganha mais fortemente? No pay-per-view. E porque ganha mais no pay-per-view? Por ser maior.

Blog: Mas tem uma garantia mínima também, não?
(Nota da edição: o Flamengo tem garantido a receber R$ 120 milhões pelo pay-per-view, independentemente da fatia de sua torcida na pesquisa entre assinantes)

Gustavo Oliveira: Mas mesmo a garantia mínima (do Flamengo) é maior. E outros times tiveram garantia mínima, hein? Alguns clubes, em questões de negociações... Abriram mão da garantia mínima. Não temos nada a ver com isso. E aí é uma negociação, cara. Se o cara resolveu fazer um contrato de oito anos, ele achava que seria bom um contrato de oito anos. Acho que talvez tenha sido bom, eu não estou dentro do processo de trabalho dos outros clubes. O que estamos vendo é o do Flamengo.

Blog: As duas formas do Estadual e Brasileiro são completamente diferentes. Uma tem uma remuneração fixa para todos os grandes e outra tem uma remuneração variável...

Gustavo Oliveira: Qual que você entende que tem mais meritocracia?

Blog: Teoricamente a do Brasileiro.

Gustavo Oliveira: Então não adianta ele (Fernando Manuel, diretor da Globo) dizer que vai haver meritocracia, que quer igualar. Então, tem que mudar o Brasileirão. Eles mudaram o Brasileiro nesta temporada. Que para nossa sorte e competência, a gente fifcou no primeiro lugar. Se a gente não fosse bem, fosse mal colocado, a gente ia ganhar mais no pay-per-view, mas muito menos nos outros itens.

Blog: Outro item que chega nessa discussão é: os jogos do Estadual valem a mesma coisa do que o Brasileiro? Por que vocês falam: "O nosso parâmetro é que fomos remunerados no Brasileiro durante esses meses por X e no Estadual, menos. Entendíamos que valíamos mais do que aquilo ali"...

Gustavo Oliveira: Não, não entendíamos que valíamos mais. Veja só: não digo que é mais ou menos, a gente gosta do Estadual, ele para a Globo é importante na medida que ocupa quatro meses. Pode ser que no futuro mude. Nem sei porque está se discutindo calendário agora no meio da negociação do Flamengo. Mas, tudo bem, sempre se levanta isso. O Estadual tem sua importância estratégica para a Globo, acredito eu. Estadual cobre quatro meses de conteúdo, se vai mudar ou não é outra coisa. Dizer que ele vale menos do que o Brasileiro não é isso que o pay-per-view mostra. O pay-per-view o cara compra o ano inteiro.

Blog: Mas há uma queda de arrecadação do pay-per-view durante o período do Estadual...

Gustavo Oliveira: Não tenho esse informação. Mas, se tiver, não é tão drástica que sai de zero para tanto.

Blog: Para o torcedor o nível de interesse que ele tem no jogo do Estadual e do Brasileiro é igual? Porque não é o que parece

Gustavo Oliveira: Gera dinheiro para a Globo. Nós, no Estadual, tivemos uma média de 40 mil pessoas.

Blog: Com ingressos mais baratos do que no Brasileiro e na Libertadores...

Gustavo Oliveira: Mais de 40 mil pessoas. Mais do que a média do que muito clube no Brasileiro. Tem um envolvimento do torcedor. O campeonato do Rio, com todas suas dificuldades, é o campeonato que você esquenta o time. Imagina hoje se o Flamengo começa o Brasileirão em fevereiro, que a ideia é ter o ano inteiro, Flamengo ia começar as primeiras rodadas com time sub-20. Tem prós e contra. O que me surpreende é essa discussão agora. O Estadual em São Paulo é valorizado. Na Bahia é valorizado....

Blog: Uma das coisas que foi levantada na discussão foi que o Flamengo tinha como intenção reduzir o Estadual. Não é verdade isso?

Gustavo Oliveira: Não é verdade. Na época, a gente achava, quando o Estadual foi formado, que a gente tinha semifinal para tudo, para cada turno, ida e volta. Não tinha final de turno direto, a gente achava que era um pouco mais longo do que o necessário. Tanto que, se não me engano, tirou-se uma ou duas semifinais. E a gente acha bom. A gente vai jogar para ganhar. Vamos colocar o time principal assim que o Jorge Jesus achar que a coisa pode ser colocada em prática. A gente vai jogar com o time para ganhar.

Blog: Então não havia uma estratégia para minar o Estadual?

Gustavo Oliveira: Pelo contrário, pelo contrário. Sei que você ainda não teve um papo com o Landim, mas ele está cobrando da gente muito que o futebol se dispute com muita vontade o Estadual para ganhar. Para fazer um espetáculo. Estadual tem aquecido o torcedor. Pense bem: o Brasileirão, no ano inteiro, o torcedor vai gritar é campeão quando? Em novembro. Começa a torcida em janeiro e vai gritar campeão em novembro. O Estadual tem essa coisa bacana de grita campeão no primeiro turno. Tem um valor aí. Nossa estratégia é para encher o estádio. De fato, está mais barato o ingresso como você falou. Criou-se uma festa. A gente abriu o Brasileirão com estádio cheio. Por que estava cheio no Estadual. Não tanto a parte esportiva, como estar no momento de festa.

Blog: Outra discussão é que obviamente o Flamengo agrega valor à Globo, assim como o fato de o Flamengo passar na Globo agrega valor ao Flamengo. Então, como vocês lidaram com o impacto com os parceiros e patrocinadores que querem ser mais expostos?

Gustavo Oliveira: A gente explicou isso para eles. Para esses patrocinadores de 2019 para 2020 —alguns trocaram —, um espaço do Flamengo triplicou, o ombro. as cotas, dobraram. O parceiro sabe qual o valor. E quando você conta o que a Globo está propondo de simplesmente renovar o contrato de 2016, de não considerar pay-per-view, considerar todo mundo igual, o cara entende: "Vocês estão com a razão". Claro que a Globo é um grande canhão, volto a dizer, um grande parceiro nosso. Agora a mídia mudou.

Eu tenho exibição de marca em várias outras plataformas. Tenho 27 milhões de seguidores nas nossas redes. Hoje a rede social do Flamengo tem um Youtube que é sétimo, oitavo do mundo. Twitter foi o primeiro do mundo em novembro. Então significa que o patrocinador compra exibição na Globo, é importante, mas tem muita coisa mais. Ele vê os três minutos. A Fla TV faz um trabalho bastante grande. Teve 3 milhões de pessoas que passaram na Fla TV no jogo com o Macaé mesmo sem ter a transmissão. Há várias mídias que oferecemos a nosso patrocinador que de certa forma cobrem essa ausência. Agora é claro que a gente gostaria de transmissão.

Blog: Outra discussão, além dos patrocinadores, é o principal cliente que vocês têm que atender, que é o torcedor. E o torcedor, claro, quando há uma disputa ou discussão, ele vai se colocar ao lado do clube. Mas, ao mesmo tempo, ele quer assistir ao jogo. Então tem uma visão de dois lados. Vocês sentiram pressão de torcedores querendo que o jogo seja transmitido?

Gustavo Oliveira: É interessante, o torcedor está entendendo o tamanho do Flamengo e está entendendo que não é uma discussão que o Flamengo tem que defender os direitos dele. Ou seja, o que ele realmente vale? A gente gera para a Globo um bom negócio para a Globo? Por que o Flamengo não está sendo remunerado por esse bom negócio? A torcida está entendendo que esse posicionamento defende o clube para fazer os investimentos que precisa. Não é para ficar com o dinheiro. Ter esse plantel que a gente gera dinheiro para a Globo. Ter o ataque com Bruno Henrique, Gabigol, Michael, Arrascaeta... Isso é bom para o Flamengo, para a torcida e é bom para Globo. E a gente precisa ter o apoio deles para poder fazer essa roda girar. Círculo virtuoso. A gente investe mais, eles ganham mais audiência, mais pay-per-view. E por aí vai. Não tenha dúvida que o Pay-per-view do Flamengo neste ano, passando todos os jogos, vai ser maior do que o ano passado. Porque são jogos mais bacanas de ver.

Blog: Nessa negociação, uma coisa que tem sido colocada meio na berlinda é que sempre houve uma tese de que o Flamengo dependia da Globo para sobreviver. Então, minha pergunta é: o Flamengo depende da Globo para sobreviver?

Gustavo Oliveira: Flamengo não depende da Globo, Globo não depende do Flamengo. São parceiros, não tenha dúvida. Agora então... Como diz que o Flamengo depende da Globo? Esse Campeonato Brasileiro é totalmente aberto em termos de remuneração, fora o pay-per-view, que na realidade é mérito da torcida do Flamengo. Aliás, no pay-per-view, a Globo dá dinheiro para o Flamengo, mas o Flamengo dá um bom dinheiro para a Globo. Fora isso, tem que passar jogos. Aliás, Globo está passando pouco jogo nosso. Poderia estar passando mais. E posição no campeonato. Qual o favorecimento que o Flamengo tem nisso? Nenhum. Se tivesse em 15º lugar, ia ganhar muito menos do que os 14 na frente desse. Se o Flamengo não tivesse o pay-per-view forte, a Globo iria transmitir o jogo do Flamengo. Sem dúvida nenhuma.

Blog: Dentro da discussão do pay-per-view, existe uma outra discussão que não é da divisão do bolo em si. É justo que todos os produtores de conteúdo —e aí colocando todos os clubes, não só o Flamengo, mas os outros 19— ficarem com 38% do pay-per-view e a emissora que transmite ficar com 62%?

Gustavo Oliveira: Aí é um negócio que os clubes aceitaram. Não vou entrar nesse mérito. Tem os custos deles, tem os custos da operadora. Não tenho informação suficiente para dizer que 38% e 62% era a divisão. O clube aceitou, foi assinado contrato lá atrás por todos os clubes, é o que está valendo. Se a gente não estiver satisfeito com o contrato em 2024, aí a gente revê. A Globo vai dizer que tem os custos, tem as razões dela. No contrato do Brasileiro, a gente está alinhadíssimo com eles (Globo).

Blog: Independentemente do valor, no mundo os contratos são feitos de forma coletiva. É o ideal esse modelo do Brasil que é individual como ocorre com o Flamengo no Carioca?

Gustavo: Hoje é o modelo ideal no Brasileiro. No futuro, se tiver um grupo de clubes que possa se unir, pode não ser. O modelo que você vende todo o pacote requer que os clubes estejam organizados de forma diferente do que estão no Brasil. Hoje você não tem uma liga, tem a CBF. Você não tem o clube participando da negociação daquele contrato.

Blog: Mas já esteve com o Clube dos 13, não?

Gustavo Oliveira: Mas não tem mais. Enquanto não tiver, talvez seja melhor fazer dessa maneira (individual). Se um dia a gente chegar a uma liga, e não estou dizendo que é bom ou ruim chegar, aí pode pensar de outra maneira. A união dos clubes não é tão grande assim para fazer um modelo só.

Blog: Hoje, podemos dizer que as negociações entre vocês e a Globo estão interrompidas na verdade, não continuam?

Gustavo Oliveira: Não é questão de interrompidas. Falei isso para ele (Fernando Manuel, da Globo) na última reunião que a gente teve: "Olha só, se você não vai fazer nenhuma proposta..." Por que ele me falou: "Me faz então uma proposta". Eu disse: "Já te dei três sugestões, a gente te deu um valor maior que era um pensamento maior, depois falamos: "Mas pode ir por aqui, e pode ter também essas coisas de comprar direitos de vocês". Tentar fazer alguma coisa criativa. Onde eu consiga um valor que a gente está querendo e seja razoável para vocês. Mas que a gente ande. Ele mandou mensagem dizendo: "Aqui dentro não vai andar. Vamos conversar". Eu disse: "Não, Fernando, já fizemos duas propostas e vocês não me mandaram propostas, não tem proposta formal da Globo". E aí que ele falou que tinha a proposta de manter 2016. E falamos: "Se está assim, a bola está com vocês. A bola está com a Globo. Já demos várias ideias."

Blog: Com essas condições o Flamengo não vai mudar de posição?

Gustavo de Oliveira: Flamengo botou zero no seu orçamento. Flamengo botou R$ 80 milhões para vender o Reinier e entraram R$ 110 milhões. Então, além de colocar zero no orçamento, ainda estou com lucro. Temos R$ 30 milhões de sobras. Brincadeira. Mas o orçamento era de R$ 80 milhões. Em relação a esse contrato, a gente já se planejou com isso. Não contamos com dinheiro. E temos alguns faturamentos novos que vamos ter. Agora, Rodrigo, se você perguntar: é bom fechar com a Globo? É bom para a Globo e o Flamengo, queremos fechar. É bom para a Globo e para o Flamengo. Só que em condições adequadas.

A gente nem fechou prazo de contrato. Não houve nenhuma posição da Globo que não fosse "quero renovar o contrato como em 2016". Respeito. São ótimos parceiros. Vamos ter um Brasileirão de novo, se Deus quiser, vamos ganhar de novo, ganhar premiação. Vamos ter outro jogos na Globo, mas só não vai afetar o Pay-per-view, Supercopa, Libertadores. Estamos totalmente abertos. Gosto do Fernando, conheci agora. Acho só que eles têm uma posição que a gente não acha tem a ver com a realidade. Nós levamos muito dinheiro para a Globo e queremos ser remunerados por isso.

Rodrigo Mattos