Só para assinantesAssine UOL
OpiniãoEsporte

Diniz, na seleção, é um Djokovic ao avesso

Tal qual o sérvio, Novak Djokovic, Fernando Diniz é um quebrador de recordes. A diferença para o número 1 do tênis, entretanto, é preocupante. Enquanto Nole supera marcas de Roger Federer, Rafael Nadal, Pete Sampas e que tais, o treinador do Fluminense, na seleção, acumula marcas negativas, superando os piores treinadores que já dirigiram o escrete verde e amarelo.

Se perder dois jogos seguidos, nas eliminatórias, já era inédito, imagina enfileirar três partidas apanhando sem parar. E a primeira derrota em casa? Temos! Pois é. Foi o que aconteceu, mais uma vez, agora diante de uma Argentina com Lionel Messi em jornada pra lá de opaca e muito mais preocupada em não perder do que ganhar. Dá pra não chamar de desastre?

O mais assustador, entretanto, é constatar que Diniz parece viver numa realidade paralela. Antes mesmo de a bola rolar no Maracanã, ele deu entrevistas dizendo que não estava preocupado com os resultados, pois via clara evolução no seu trabalho. Alguém pode me dizer que evolução é essa?

Sim, os jogadores brasileiros competiram, lutaram o tempo todo. Mas no esquema caótico do seu técnico, só conseguiram fazer a primeira finalização ao gol argentino aos 37 minutos da etapa inicial, numa cobrança de falta!

Eficiente no Fluminense, campeão com méritos da Libertadores, a tática da aglomeração dinizista em momento algum pareceu se encaixar na seleção brasileira. Uma decepção completa, apesar da enorme torcida a seu favor de boa parte da imprensa - que chegou ao absurdo de dizer que Ancelotti não precisa mais vir, após a goleada sobre a Bolívia, no Mangueirão.

Carlo Ancelotti será o treinador do Brasil na próxima Copa do Mundo. Mas até lá será duro aturar Fernando Diniz no comando. E Gabriel Jesus no comando do ataque e Emerson Royal e Carlos Augusto nas laterais (certamente, uma das piores duplas de laterais da história da "amarelinha"). Que seleção furreca!

COITADOS

Pobre do torcedor, que pagou um ingresso caro, ficou três horas e meia torrando no sol, para trocar o ingresso virtual pelo físico, praticamente não viu Messi em campo e ainda teve que aturar uma vitória argentina

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes