PUBLICIDADE
Topo

Blog do Perrone

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Como política pode salvar Rogério Caboclo de afastamento definitivo

Rogério Caboclo - Lucas Figueiredo/CBF
Rogério Caboclo Imagem: Lucas Figueiredo/CBF
Perrone

Ricardo Perrone é formado em jornalismo pela PUC-SP, em 1991, cobriu como enviado quatro Copas do Mundo, entre 2006 e 2018. Iniciou a carreira nas redações dos jornais Gazeta de Pinheiros e A Gazeta Esportiva, além de atuar como repórter esportivo da Rádio ABC, de Santo André. De 1993 a 1997, foi repórter da Folha Ribeirão, de onde saiu para trabalhar na editoria de esporte do jornal Notícias Populares. Em 2000, transferiu-se para a Folha de S.Paulo. Foi repórter da editoria de esporte e editor da coluna Painel FC. Entre maio de 2009 e agosto de 2010 foi um dos editores da Revista Placar.

08/06/2021 04h00

Caso a Comissão de Ética do Futebol Brasileiro determine o afastamento definitivo de Rogério Caboclo da presidência da CBF, a decisão precisará ser referendada pela assembleia geral administrativa da confederação.

Participam dessa assembleia os representantes das 27 federações estaduais.

Para que um eventual banimento do cartola seja confirmado é necessária a presença de pelo menos de ¾ das federações (21). Para a aprovação da destituição, são exigidos 8/10 dos votos dos presentes. Ou seja, com apoio político, Caboclo conseguiria barrar o banimento.

Hoje, o presidente, afastado por 30 dias devido à acusação de assédio moral e sexual feita por uma funcionária da CBF, está enfraquecido politicamente. Em tese, isso dificultaria sua busca por apoio.

A pressão de patrocinadores da CBF para uma punição em caso de culpa comprovada seria um obstáculo a mais na corrida de Caboclo por votos contra seu eventual afastamento definitivo.

Em entrevista ao jornalista Rodrigo Bueno, da ESPN, o dirigente disse que é inocente. Também afirmou ter absoluta certeza de que provará sua inocência e retornará ao cargo.

A Comissão de Ética pode aplicar outras sanções, como advertência, multa de até R$ 500 mil e suspensão ou proibição de participar de atividades ligadas ao futebol por até dez anos.

O Código de Ética e Conduta do Futebol Brasileiro determina que está sujeito a sanções quem "praticar assédio de qualquer natureza, inclusive moral ou sexual".

Se inscreva no canal Ricardo Perrone no YouTube.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do que foi publicado anteriormente, são necessários pelo menos 8/10 dos votos dos presentes na assembleia geral administrativa para a aprovação do banimento do presidente. Não 3/4. O quórum mínimo para a realização da assembleia é de 3/4 do total de federações.

Blog do Perrone