PUBLICIDADE
Topo

Receba os novos posts desta coluna no seu e-mail

Email inválido
Seu cadastro foi concluído!
reinaldo-azevedo

Reinaldo Azevedo

mauricio-stycer

Mauricio Stycer

josias-de-souza

Josias de Souza

jamil-chade

Jamil Chade

Menon

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Corinthians e Palmeiras tratam homofobia com falta de seriedade

Conteúdo exclusivo para assinantes
Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

17/05/2022 12h42Atualizada em 17/05/2022 17h49

No dia mundial da luta contra a homofobia, Corinthians e Palmeiras publicaram mensagens no Twitter que não estão à altura da seriedade que exige um assunto importantíssimo.

Homofobia mata. Coloca em risco a vida de seres humanos por causa da orientação sexual de cada um.

O futebol poderia ser utilizado como forma de conscientização. Ainda mais quando falamos de clubes que, unidos, representam mais de 40 milhões de brasileiros. E entre eles estão muitos homossexuais que têm a vida ameaçada por serem o que são.

O Corinthians, em sua nota, tirou a cor verde da bandeira LGBTQIA+. Foi trocada por um tom pastel. O mesmo Corinthians que chegou a recusar o número 24 na camisa.

Para chamar a atenção sobre a causa LGBTQIA+, o Corinthians poderia dizer, por exemplo, "lutar contra a homofobia é tão importante que estamos usando o verde".

Mas, não! O "time do povo" parece não se importar com a parte gay de seu povo. Pelo menos não tem mais o Luis Paulo Rosenberg, com piadas homofóbicas na diretoria.

Como o Corinthians faria para protestar contra o desmatamento da Amazônia?

Sugiro que o clube separe um pouco de dinheiro e desenvolva um projeto para criar grama preta e branca.

O Palmeiras, ao contrário, colocou apenas verde na sua nota sobre o dia de luta contra a homofobia. E usou a etiqueta "por um mundo mais verde".

Parece mais preocupado em louvar maravilhosas conquistas recentes do que na luta por igualdade.

Um mundo mais igual é mais importante que um mundo mais verde.

Palmeiras e Corinthians deixaram um triste recado. Mais do que se importarem com a homofobia:

1) O Corinthians se importa com o Palmeiras.

2) O Palmeiras se importa com o Palmeiras