PUBLICIDADE
Topo

Menon

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Menon: Patrick de Paula e Menino precisam se recuperar

Patrick de Paula e Hulk disputam a bola em jogo entre Palmeiras e Atlético-MG - Ettore Chiereguini/AGIF
Patrick de Paula e Hulk disputam a bola em jogo entre Palmeiras e Atlético-MG Imagem: Ettore Chiereguini/AGIF
Conteúdo exclusivo para assinantes
Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

24/11/2021 04h00

O futebol brasileiro parece estar perdendo dois futuros grandes craques. Patrick de Paula e Gabriel Menino, que apareceram, juntamente com Verón, como as maiores promessas de uma ótima safra palmeirense, não estão confirmando as expectativas.

Autor do gol do título paulista do ano passado, Patrick apareceu imediatamente mas capas de jornais esportivos da Espanha como um possível contratado. Talvez nem jogasse o Brasileiro.

Um ano e meio depois, continua no Palmeiras. Reserva. E jogando mal. Perdeu pênalti contra o Galo. Na rodada anterior, permitiu o chute de Gabriel Sara no primeiro gol do São Paulo. E deu o passe para Luciano fazer o segundo.

Nesse período todo, ficou mais marcado por polêmica do que bom futebol. Esteve na balada sem máscara, foi para um jogo importante usando brincos, o que é proibido por segurança e não estética.

Gabriel Menino apareceu como volante e foi convocado por Tite como lateral-construtor. E até agora se discute se ele vai melhor no lado ou no meio. A verdade é que não tem se destacado em nenhuma das duas posições.

Se for escalado na final da Libertadores, terá uma grande chance de retomar o brilho. A tarefa será difícil, marcando o habilidoso Michael ou Bruno Henrique, a força da Natureza.

Um belo desafio. Mas desafios são para os grandes jogadores.

Patrick, muito provavelmente, não jogará a final. Ou não começará jogando a final. Não terá a chance de um divisor de águas. Terá de trabalhar muito mais. Cotidianamente.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL