PUBLICIDADE
Topo

Menon

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Menon: Renato falou algumas verdades e se escondeu de outras

Conteúdo exclusivo para assinantes
Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

24/10/2021 11h22Atualizada em 24/10/2021 13h04

Após a derrota para o Fluminense, Renato Gaúcho falou algumas verdades na entrevista coletiva.

O Flamengo é prejudicado pela constante convocação de jogadores.

O Brasileiro deveria parar nas datas Fifa.

O calendário deveria ser mais bem feito, evitando jogos a cada três dias.

As contusões atrapalham. Contra o Fluminense, não jogaram David Luiz, Filipe Luis, Arrascaeta, Gabigol, Pedro e Bruno Henrique. Quem não sofre assim?

O Flamengo está em três competições, e, por isso mesmo, faz mais jogos.

São verdades incontestáveis. E Renato teve o bom senso de, como faz várias vezes, não culpar a opção tática do adversário pelas dificuldades de seu time.

O que falta Renato explicar é porque o Flamengo continua com dificuldades na bola aérea.

E também ficou claro uma divergência de opinião entre o treinador e a diretoria. Ele reclama de desfalques e diz que é impossível ganhar três títulos ao mesmo tempo. Mas a diretoria montou um elenco para que isso fosse possível.

É o tal time de R$ 200 milhões, com que Renato dizia ser fácil ganhar tudo, menosprezando o trabalho de Jesus.

O Flamengo fez jogos maravilhosos com Renato. Goleou, por exemplo, o Grêmio em Porto Alegre, com um jogador a menos. Humilhou o São Paulo com 5 x 1 de virada.

Agora, não vence há três jogos. Se for eliminado na Copa do Brasil, não haverá desculpa ou argumento que o mantenha no clube para a final da Libertadores.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL