PUBLICIDADE
Topo

Menon

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Menon: Palmeiras vence, mostra pequena evolução, e traz esperança à torcida

Rony e Raphael Veiga comemoram gol do Palmeiras contra o Internacional pelo Brasileirão - Ettore Chiereguini/AGIF
Rony e Raphael Veiga comemoram gol do Palmeiras contra o Internacional pelo Brasileirão Imagem: Ettore Chiereguini/AGIF
Conteúdo exclusivo para assinantes
Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

17/10/2021 18h33Atualizada em 17/10/2021 18h45

Depois de sete partidas sem vencer - cinco pelo Brasileirão - o Palmeiras conseguiu três pontos com o 1 x 0 sobre o Internacional.

Além da vitória, ficou o indício de que o time tem como melhorar. Foi um jogo melhor que os últimos, com boa participação dos laterais.

Felipe Melo esteve muito seguro e Veiga teve ótima participação no meio campo.

O jogo começou a ser resolvido com o pênalti de Cuesta e a besteira de Edenílson, expulso por reclamação. Gol de Veiga.

O lado cheio do copo é a evolução do Palmeiras. O lado vazio é que o time mostrou alguns velhos problemas.

Com 1 x 0 na frente, deixou de pressionar. As saídas de Veiga e Dudu atrapalharam. E o Palmeiras não teve o controle do jogo. Com um a mais, permitiu muita trocação. E terminou com Deyverson procurando treta - como não? - e gandula fazendo cera.

Um outro ponto ruim foi a torcida vaiando Luiz Adriano. Não ajuda nada. E Dudu reclamando da substituição.

São pontos a considerar. A consertar. E é muito mais fácil melhorar e enfrentar seus erros após uma vitória.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL