PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Menon


Menon

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Menon: Final da Libertadores reúne dois estilos e nenhum favorito

Conteúdo exclusivo para assinantes
Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

30/09/2021 04h00

O Flamengo chegou à final da Libertadores com duas vitórias sobre o Barcelona.

O Palmeiras chegou com dois empates contra o Atlético-MG.

O Flamengo tem tido vantagem sobre o Palmeiras nós últimos encontros.

O Flamengo joga mais bonito. Tem mais jogadas trabalhadas.

O Palmeiras é mais cascudo, sabe se defender muito bem e é muito bom no jogo de contra-ataque.

O Flamengo tem a dupla Everton Ribeiro e Arrascaeta.

O Palmeiras tem Gustavo Gómez e, agora como titular, Felipe Melo.

O Palmeiras tem o melhor goleiro do Brasil. O Flamengo tem um grande pegador de pênaltis.

O Flamengo tem Gabigol e Bruno Henrique.

O Palmeiras tem Rony e mais um.

E o que significa tudo isso?

Nada.

Não existe um favorito para a final. Com suas qualidades e defeitos, qualquer um pode ser campeão.

Os dois podem conquistar o título pela terceira vez.

Os dois podem incomodar o Chelsea.

É uma final brasileira. E que mostra o atual momento de superioridade dos clubes do Brasil diante dos rivais da América do Sul.

Uma superioridade que vem como reflexo da disparidade financeira, de patrocínio e tudo o mais.

Que os dois, cada um a seu estilo, façam um jogo de alto nível.

E haja portunhol em Montevidéu.

Hola, que tal?

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Menon