PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Menon


Menon

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Bom Clássico-Rei. VAR foi protagonista

Conteúdo exclusivo para assinantes
Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

31/07/2021 21h32Atualizada em 31/07/2021 21h32

São Paulo, 12 finalizações, e Palmeiras, sete, fizeram um jogo muito melhor que os das finais do Paulistão.

Não teve jogo amarrado. Os dois times jogaram ofensivamente. O São Paulo foi melhor porque teve facilidade em fazer a bola chegar perto do gol do Palmeiras. Zé Rafael e Danilo não foram bem.

Luis Flávio e o VAR, certos ou errados, definiram o resultado.

Foram quatro dúvidas em três lances.

1) Gol anulado de Rigoni - Estava impedido. Tão impedido que nem precisaria de VAR.

2) Pênalti de Gómez em Marquinhos - Houve o toque. Mão no peito. Suficiente para a queda.

3) Gol contra de Gómez anulado - Falta em Rigoni, contestada por Abel Ferreira. Cobrança de Reinaldo. A bola passa acima das canecas de Miranda e Patrick de Paula. Ninguém toca nela. Gustavo Gómez marcou contra. Miranda estava muito perto de Patrick? Impediu que ele cabeceasse?

Enfim, são os novos tempos. Um juiz confuso, que levou 6 minutos para anular o primeiro gol de Rigoni e deu apenas quatro de acréscimo, se agarra ao VAR.

O Palmeiras viu sua série incrível de nove vitórias interrompida. O São Paulo viu sua recuperação adiada uma vez mais.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Menon