PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Menon


Menon

Messi afronta Barça e apoia Suárez. Jogadores brasileiros apoiam o patrão

Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

25/09/2020 11h52

Messi foi às redes sociais e prestou solidariedade a Suárez. Disse que será difícil continuar sem ele e que o uruguaio merecia uma homenagem à altura de seu papel na história do clube. Suárez é o terceiro maior artilheiro da história do Barcelona e agora jogará pelo Atlético de Madri.

No Brasil, a pandemia levou dois grupos de jogadores a se manifestarem. Ambos fervorosamente em defesa de posições tomadas anteriormente pelos clubes, seus patrões.

O primeiro foi o grupo de jogadores do Flamengo. Na verdade, tomadas de posição de forma individual. Muitos foram às redes sociais saudar a volta do Flamengo aos treinamentos.

Eram manifestações similares. Agradeciam por poderem voltar a fazer o que amam (treinar e jogar futebol) e agradeciam ao clube (patrão) por permitirem esse prazer.

Agora, são os jogadores do Palmeiras. Em grupo, se colocaram contra a decisão do Sindicato que pediu adiamento do jogo contra o Flamengo. Todos querem jogar, todos querem entrar em campo. Ninguém tem medo de infecção. A manifestação veio após a do presidente Galiotte.

Todos eles, do Flamengo, do Palmeiras ou de outros clubes, estão sempre prontos a defender as redes e os direitos de quem paga (nem sempre em dia) os seus salários.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Menon