PUBLICIDADE
Topo

Menon

Quero Barça x Juve na Champions para ver o que farão Arthur e Pjanic

Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

30/06/2020 12h00

A Liga dos Campeões será decidida em Lisboa, a partir de agosto. Quartas-de-final, semifinais e final, de 12 a 23 de agosto. Tudo muito rápido, sem público, legado da pandemia.

Barcelona e Juventus não estão garantidos. O Barça empatou fora de casa com o Napoli por 1 x 1. E a Juve recebe o Lyon, para reverter a derrota por 1 x 0.

A situação não é boa para nenhum deles. Caso passem, seus próximos passos dependerão de um sorteio, dia 10 de julho.

E poderemos ver novamente um duelo entre Cristiano Ronaldo e Messi, os maiores jogadores do terceiro milênio.

E um outro duelo, com muito menos charme. O brasileiro Arthur e o bósnio Pjanic estarão enfrentando seu futuro clube. A troca entre eles foi definida, com um "troco" de dez milhões de euros a favor do Barcelona.

Como se comportarão? O jogo servirá para deixarem saudades no seu atual time. Será uma prévia de qual clube se deu melhor.

A primeira incógnita do duelo é saber se Arthur estará em campo. A relação com o treinador Quique Santién não é boa. Ele declarou que sempre houve jogadores que chegam a um clube com muitas expectativas e rendem menos que o esperado. A afirmativa foi considerada uma indireta bem direta a Arthur.

Até a mãe do jogador entendeu assim.

A verdade é que o Barcelona vem afundando e precisa resolver muitos problemas antes de superar o intenso Napoli de Gattuso.

E Pjanic? Não há porque duvidar de sua presença. Está na Juve desde 2016 e construiu uma carreira sólida. E vencer a Liga dos Campeões seria uma despedida histórica.

Há uma comparação que aponta para a solidez de Pjanic. Em dez anos, ficou 19 jogos fora, por lesão. E o brasileiro, em dois anos, perdeu 22 jogos, também por lesão.

A constância e o profissionalismo do sérvio de 30 anos o deixam quase garantido em um futuro duelo contra Arthur, que precisará superar muita desconfiança para ser ao menos escalado.

Errata: o texto foi atualizado
Miralem Pjanic é bósnio, não sérvio.
Ao contrário do informado anteriormente, Pjanic não está na Juventus há dez anos, e sim desde junho de 2016.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Menon