PUBLICIDADE
Topo

Jorge Jesus é tão bom que não fará falta ao Flamengo

Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

28/05/2020 14h54

O trabalho de Jorge Jesus no Flamengo foi espetacular. Irrepreensível. E não tem nada a ver com a qualidade do elenco. Tentam menosprezar seu trabalho, com Rafinha, Gerson, Arrascaeta, Gabigol e Bruno Henrique até eu.

Não é verdade. Há muitos casos de treinadores que não fazem grandes elencos renderem. Lembram de Edmundo, Romário e Sávio, o melhor ataque do mundo?

Com Jesus, o Flamengo jogou mais do que a soma enorme do talento de seus jogadores. Não foi apenas a questão técnica. Dizem que Lula, treinador do Santos de Pelé jogava as camisas para o alto. Brincadeira, é lógico...Vai que o Pelé não pegasse alguma.

Lula era do tipo que dizia: vão lá e façam o que sabem fazer

Jesus, não. Ele implantou uma postura vencedora impressionante. O Flamengo joga para vencer sempre, em casa ou fora dela.

Criou um time invencível no Brasil.

Então, por quê não faria falta?

Justamente por isso. Jesus criou um time tão bom, que vai render em nível altíssimo mesmo sem sua presença. É tudo uma questão de polir. De ajeitar uma coisa aqui e outra ali. A única possibilidade de dar errado é se contratar alguém sem capacidade de comandar tantas estrelas e submergir diante de muitos egos.

Jorge Jesus seria imprescindível apenas se houvesse a possibilidade de conseguir uma elevação ainda maior. Um upgrade. Um outro patamar, ainda maior.

Será possível conseguir isso?

Vale a pena pagar tudo o que Jesus pede, em torno de $ 40 milhões de reais por ano? Para manter o mesmo nível de agora, o que seria possível conseguir com alguém que aceite receber metade?

Em uma negociação financeira com o Flamengo, Jorge Jesus é vítima de sua própria qualidade, de sua competência. Ele não é necessário para que sua própria obra continue a dar frutos.

Menon