PUBLICIDADE
Topo

Paulo Andrade: "Vou cumprir o sonho de narrar uma Libertadores"

Em quarentena, Paulo Andrade improvisa estúdio na sacada de seu apartamento - Arquivo pessoal
Em quarentena, Paulo Andrade improvisa estúdio na sacada de seu apartamento Imagem: Arquivo pessoal
Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

13/05/2020 14h40

Paulo Andrade, da ESPN, é narrador há 21 anos. Começou em 1999 em uma TV comunitária no ABC, com jogos do São Caetano. Nada ao vivo. E agora, está próximo de cumprir um desejo.

"Narrar uma Libertadores era um sonho antigo que está próximo de se concretizar. Eu narrei nove finais de Champions, mas sempre senti falta de uma Libertadores".

A possibilidade veio após decisão do Cade sobre a fusão entre ESPN e FOX. Os seis canais (quatro da ESPN e dois da Fox) serão mantidos até janeiro de 2022. E os eventos poderão ser transmitidos tanto pela Fox como pela ESPN.

Já começa no final de semana com o campeonato alemão. Quatro jogos, dois em cada canal diferente.

"Mas existe a possibilidade de duas equipes narrarem o mesmo jogo", lembra Paulo Andrade, que tem se contido para não ser preso pela ansiedade.

"A gente está em quarentena e já fica ansioso. Então, não é bom ficar criando bordão para a Libertadores ou imaginar um jogo de estreia. No momento, o mais importante é a saúde da população. Vamos enfrentar a pandemia e o futebol vem depois".

Quando vier, Paulo Andrade talvez não precise mais usar o estúdio improvisado em seu apartamento. "Ainda não narrei em casa, mas estou apresentando programas. Tiro o interfone do gancho, o telefone fixo também. Para o cachorro não assustar e latir. Peço pro meu filho não fazer barulho e me tranco na sacada do apartamento. Silêncio total, muito diferente do estúdio quando os companheiros se mexem, há câmaras e gente passando. E acredita que é mais difícil manter a concentração?"

O acordo do Cade permitirá à ESPN transmitir, além da Libertadores e do Alemão, a Copa do Nordeste e a Liga Europa. Um presente para Paulo. "Eu sou jornalista esportivo porque sou narrador. O que eu gosto é de narrar. Vivemos de eventos e a ESPN perdeu muitos. É bom recuperar alguns".

Ele gostou da maneira como foi feito o acordo. "Olha, são seis canais no total. Seria natural que descontinuassem dois, por exemplo. Muita gente perderia emprego em época de pandemia e seria terrível. Agora, há um prazo para que todos possam mostrar serviço. E quem sentir que está com pouco espaço, pode ir se colocando no mercado. Não teremos nada brusco".

Com a estreia na Libertadores, ficará faltando ainda alguma coisa na carreira?

"Ah, o Brasileiro. Seria ótimo narrar um Brasileiro. Quem sabe um dia?"

Quem sabe...

Menon