PUBLICIDADE
Topo

Mauro Cezar Pereira

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Mauro Cezar: pênalti abre caminho para virada e título do Galo após 50 anos

Keno comemora gol do Atlético Mineiro - Jhony Pinho/AGIF
Keno comemora gol do Atlético Mineiro Imagem: Jhony Pinho/AGIF
Conteúdo exclusivo para assinantes
Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN.

02/12/2021 19h54

Demorou, mas aconteceu. O Atlético volta a ser campeão brasileiro após 50 anos. A virada em poucos minutos sobre o Bahia, cada vez mais ameaçado de rebaixamento, começou a partir de mais um pênalti marcado para o time mineiro. O 11º a favor do Galo no campeonato, apenas o quarto sem interferência da arbitragem de vídeo.

Com uma dívida crescente na casa de R$ 1,3 bilhão, o clube de Belo Horizonte só conseguiu montar um elenco como o atual graças ao apoio de milionários atleticanos, que turbinam o elenco. Algo plenamente possível no futebol local, onde o fair-play financeiro inexiste. Assim, repete de outra maneira o Corinthians de 2015.

Naquela temporada, o time paulista atrasava a remuneração de seus profissionais, mas o técnico Tite foi capaz de manter o elenco concentrado e, muito bem treinado, o conduziu ao título. Mas a realidade de seus cofres não permitia ter aqueles atletas, tanto que muitos saíram logo depois. Foi mais uma das conquistas obtidas com o chamado "doping financeiro".

Se a regra é não ter regra na relação investimento x faturamento (real, com os recursos gerados pela agremiação), se os corintianos chegaram à última rodada seis anos atrás em primeiro naquelas condições, por que o Atlético não poderia fazer algo parecido? Parabéns ao campeão brasileiro de 2021.

Siga Mauro Cezar no Twitter

Siga Mauro Cezar no Instagram

Siga Mauro Cezar no Facebook

Inscreva-se no Canal Mauro Cezar no YouTube