PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Cruzeiro rebate nota da ANAF e não poupa críticas à Federação Mineira

Dirigentes não ficaram satisfeitos com a repercussão sobre a arbitragem no clássico - Wahington Alves/Light Press
Dirigentes não ficaram satisfeitos com a repercussão sobre a arbitragem no clássico Imagem: Wahington Alves/Light Press

Enrico Bruno

Do UOL, em Belo Horizonte

29/03/2016 17h09

Na tarde desta terça-feira, data da reapresentação do Cruzeiro após a vitória no clássico mineiro, o vice-presidente de futebol, Bruno Vicintin, e o diretor de futebol, Thiago Scuro, foram aos microfones da Toca da Raposa para concederem uma entrevista de imprensa. O principal assunto em pauta foi a arbitragem. Vicintin rebateu a nota da ANAF (Associação Nacional de Árbitros de Futebol) divulgada na última sexta-feira. Na véspera da partida contra o Atlético, o presidente Gilvan classificou a escalação do árbitro Emerson de Almeida Ferreira como vergonhosa. A associação respondeu, alegando que o clube estaria utilizando um “método arcaico de ludibriar seus próprios torcedores com o objetivo de jogar uma "cortina de fumaça" sobre verdadeiros problemas”, o que não agradou os cartolas.

“O Cruzeiro foi surpreendido com a nota lamentável da ANAF, que a nosso ver desrespeita a instituição. Venho a público exigir respeito a instituição Cruzeiro Esporte Clube. O Cruzeiro apenas sugeriu um árbitro Fifa, para evitar toda pressão que aconteceu após o clássico. O clube já havia feito isso há três anos. O papel da ANAF é pedir melhores direitos à arbitragem. Nós nos sentimos ofendidos. Nosso chefe de arbitragem mineira estava no site da ANAF como assessor para assuntos jurídicos, mas já tiraram o nome dele do site e não sabemos motivo”, comentou o dirigente.

Na noite da última segunda-feira, o presidente Gilvan de Pinho Tavares esteve presente na cerimônia de homenagem ao goleiro Fábio, que se tornou cidadão honorário de Belo Horizonte. Questionado sobre o assunto, o mandatário avaliou a arbitragem no Independência, segundo ele boa e com erros para os dois lados. O lado alvinegro cobra duas possíveis expulsões de Allano e Cabral, que não aconteceram, além de um pênalti não marcado em Lucas Pratto. Em contrapartida, o Cruzeiro rebate alegando que os zagueiros Leonardo Silva e Tiago também mereciam o vermelho. Esta foi a opinião de Bruno Vicintin, que ainda criticou a cobrança com que os erros são feitas.

“Quando um erro ajuda o rival, nenhuma atitude foi tomada. Tivemos erros para dois lados, o Leonardo Silva deveria ter sido expulso no primeiro tempo. O Allano tomou tapa na cara e levou amarelo. O zagueiro do Atlético (Tiago) levantou o pé na cabeça do Manoel e não foi marcado nem pé alto. Depois, num lance fora da área, ele marcou lance de pé alto. Houve vantagem do Élber, que não foi dada. O Cruzeiro não concorda que foi ajudado no clássico, mas também não acha que a arbitragem foi terrível. Estamos muito preocupados com mensagem passada para arbitragem mineira. Em erros que decidem campeonato, nada é comentado”, acrescentou.

Abaixo, outros pontos comentados pelos diretores na Toca da Raposa:

Thiago Scuro

O Cruzeiro venceu por méritos da comissão técnica e do elenco pelo que trabalharam na semana toda. Esse é o grande incômodo para nós, que estamos direcionando demais a discussão e esquecemos o trabalho dos nossos profissionais. Fizemos um bom jogo, vencemos jogando um bom futebol.

Críticas à Federação Mineira e ANAF: Vem nos incomodando agora a forma como o clássico foi tratado, a forma como o sorteio foi operacionalizado. E a imprensa deveria ter análise técnica e não clubística. Da mesma forma que nosso trabalho tem que ser avaliado, os da Federação Mineira também. Não é por não acreditar na arbitragem que pedimos árbitro FIFA, mas sim para preservar os daqui. O Emerson é um bom árbitro com muito potencial, mas não tem escudo FIFA. Pedimos árbitros Fifa pela grandeza do clássico. A ANAF não recruta, não contrata arbitro, mas se posiciona falando de problemas internos do Cruzeiro, como ela pode falar isso?

Bruno Vicintin

Em erros a favor do rival, não se toma medidas. Em qualquer assunto sobre arbitragem do Cruzeiro, fala-se em afastar árbitro, em reciclagem. Cruzeiro continua apoiando renovação de árbitros mineiros. Houve erros para dois lados no clássico. O Cruzeiro não vê motivo para essa celeuma criada.

O Cruzeiro apoia arbitragem mineira. Em caso de clássicos, achamos que deveria ser árbitro Fifa até para preservar arbitragem mineira

Futebol