PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Retranca de Mourinho funciona e Chelsea segura 0 a 0 com Atlético

Do UOL, em São Paulo

22/04/2014 17h44

A primeira partida das semifinais da Liga dos Campeões, nesta terça-feira, acabou tendo como protagonista José Mourinho. Atlético de Madri e Chelsea não saíram do 0 a 0 na Espanha, e muito em razão da retranca implementada pelo técnico português. Assim, mesmo com a pressão do Atlético, o Chelsea irá para a Inglaterra precisando de uma vitória simples para chegar à decisão.

Mourinho jogou como o Chelsea fez em 2012, na semifinal contra o Barcelona, também na Espanha - quando Roberto Di Matteo levou os ingleses à decisão. Com apenas um atacante (Torres), escalou cinco defensores (David Luiz de volante) e três meias defensivos (Lampard, Mikel e Ramires) como os responsáveis pela ligação com o ataque. Assim, impediu que o Atlético entrasse na área e produzisse lances de perigo, apesar da posse de bola dominante: 62%.

Diego, titular, foi quem mais produziu contra a retranca inglesa. O brasileiro deu seis chutes ao gol até ser substituído aos 15 minutos do 2° tempo, mas todos sem perigo para Petr Cech e, depois, para Mark Schwarzer, goleiro de 41 anos que substituiu o tcheco após este se lesionar ao defender tentativa de gol olímpico de Koke.

$escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-lista','/2014/cech-se-lesiona-1398200549340.vm')

Foi o primeiro jogo na atual Liga dos Campeões em que o Atlético ficou sem marcar gols. Assim, o Chelsea parou o melhor ataque da história do Atlético de Madri. Com 109 gols, o time já bateu o recorde anterior: 107 gols na temporada 1996/1997.

A partida de volta ocorre na quarta-feira da próxima semana, dia 30 de abril, no estádio Stanford Bridge, em Londres. Novo empate por 0 a 0 leva o jogo para a prorrogação. Empates a partir de 1 a 1 classificam os espanhóis para a final, que seria a primeira do Atlético desde 1974. Para o Chelsea, basta uma vitória simples. Os ingleses disputaram sua última final em 2012, quando foram campeões.

$escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-numeros','/2014/chutes-do-atletico-1398197731054.vm')

Com seis brasileiros - sete, se contado Diego Costa - como titulares, a partida foi completamente dominada pelo Atlético. Simeone apostou em Diego no lugar de David Villa para completar o ataque ao lado de Diego Costa, enquanto Mourinho deixou Willian como único meia ofensivo no Chelsea.

$escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-lista','/2014/opiniao-dos-blogueiros-1398201179500.vm')

Mas foram poucos os lances de emoção. Aos 14 minutos, Petr Cech se contundiu após se chocar com Raúl Garcia e deixou o gramado com o ombro direito deslocado. No lance, ele savou a melhor chance espanhola na etapa: Koke cobrou escanteio e arriscou direto para o gol; Cech colocou para escanteio.

$escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2014/mourinho-e-cech-1398196807857.vm') Nada mais foi produzido na primeira metade. No 2° tempo, o Chelsea abdicou de vez do ataque, enquanto o Atlético criou mais chances, principalmente após os 30 minutos. 

A principal veio com Arda Turan, que substituiu Diego. O turco cabeceou bola quase na pequena área, mas errou o alvo. Filipe Luís foi outro com bom lance: ele invadiu a área driblando, mas seu chute rasteiro parou na zaga.

Mourinho leva para casa, assim, sua chance de evitar ser eliminado pela quarta vez seguida em semifinais de Liga dos Campeões - seria o 1° na história a alcançar o feito negativo.

Lampard e Obi Mikel, pelo Chelsea, e Gabi, pelo Atlético, serão desfalques na próxima semana. Eles levaram cartão amarelo e estão suspensos do jogo de volta.

$escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-numeros','/2014/mark-schwarzer-1398194195289.vm')

Futebol