PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Grêmio x River já teve jogo na Bahia e D'Alessandro goleado

Grêmio de Tite, em 2001 e 2002, venceu os quatro jogos contra o River Plate - Eduardo Knapp/Folhapress
Grêmio de Tite, em 2001 e 2002, venceu os quatro jogos contra o River Plate Imagem: Eduardo Knapp/Folhapress

Jeremias Wernek

Do UOL, em Porto Alegre

22/10/2018 04h00

Grêmio e River Plate acumulam seis títulos de Libertadores, mas nunca se encontraram em um duelo tão decisivo como agora. Rivais na briga por um lugar na final da atual edição do torneio, os dois clubes centenários se enfrentaram em uma sequência de confrontos no início do século com direito a goleada em cima de uma formação que tinha D'Alessandro surgindo. E mais atrás na linha do tempo ainda houve amistoso bem diferente: na Fonte Nova, em Salvador.

Até aqui, o Grêmio tem mais vitórias que o River no confronto direto: nove contra seis. E a primeira partida entre eles foi em 1971, em torneio amistoso disputado em Porto Alegre.

Nenhum dos 18 jogos entre River e Grêmio, contudo, foi mais incomum do que aquele disputado em 30 de janeiro de 1972. A partida ocorreu na Fonte Nova, em Salvador, na última rodada da Taça de Salvador, que também contou com a participação de Vitória e Fluminense.

Comandado por Daltro Menezes, o Grêmio venceu o River com um gol de Loivo e ficou com o título da competição amistosa. A formação do clube gaúcho tinha um jovem Valdir Espinosa, então lateral direito. Onze anos depois, ele foi o treinador do tricolor campeão da Libertadores e do Mundial de Clubes.

Nos anos 1980 e 1990, Grêmio e River se enfrentaram pela Supercopa Sul-Americana e os argentinos conseguiram eliminar os gaúchos três vezes. Nos anos de 1988, 1991 e 1995. O time gremista despachou o gigante de Buenos Aires, deste mesmo torneio, em 1989.

A memória mais gloriosa do Grêmio diante do River, porém, está nos duelos protagonizados no início dos anos 2000. Sob o comando de Tite, o time gaúcho jogou quatro vezes com a equipe montada por Ramon Diaz em menos de dois anos. E foram quatro vitórias brasileiras.

Em julho de 2001, o Grêmio fez 4 a 2 em pleno Monumental de Nuñez em jogo da Copa Mercosul. Os gols de Anderson Lima, Tinga, Polga e Zinho vieram pouco mais de um mês após a conquista da Copa do Brasil em cima do Corinthians, em São Paulo.

D'Alessandro - Mauricio Lima/AFP - Mauricio Lima/AFP
Imagem: Mauricio Lima/AFP
Em setembro do mesmo ano, jogando em Porto Alegre, Anderson Polga garantiu vitória simples. Na temporada seguinte, os clubes se encontraram nas oitavas de final da Libertadores e  Grêmio venceu de novo: 2 a 1 em Buenos Aires e um sonoro 4 a 0 no estádio Olímpico.

A curiosidade é que em três destes quatro jogos no início do século, D'Alessandro estava em campo. À época, o atual ídolo do Internacional era mais um jovem promissor formado na base do River Plate. O time base do período contava com Demichellis, Cambiasso, Ortega, Claudio Lopez, Astrada e Cavenaghi. Seis anos depois, D'Alessandro chegou a Porto Alegre para reforçar o arquirrival do Grêmio.

Nesta terça-feira, às 21h45 (Brasília), River Plate e Grêmio abrem uma nova página na história do confronto. O vencedor do duelo pega o ganhador de Boca Juniors e Palmeiras na final.

Futebol