PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Projeto corintiano de medalhões para Libertadores morre de maneira precoce

Emerson Sheik pede a bola em derrota do Corinthians - Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians
Emerson Sheik pede a bola em derrota do Corinthians Imagem: Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Dassler Marques e Diego Salgado

Do UOL, em São Paulo

30/08/2018 04h00

A ideia do Corinthians em montar um time experiente para a disputa da Copa Libertadores não prosperou. Eliminados pelo Colo-Colo apesar de vitória na última quarta-feira (30), os corintianos deixaram a competição pela quarta vez seguida nas oitavas de final em roteiro similar de edições recentes. Assista aos gols da partida.

A produção dos jogadores veteranos, projetados pelo ex-treinador Fábio Carille para liderar um time mais velho em relação à conquista do Brasileirão, foi irregular. Jadson, um dos melhores em campo e já bastante adaptado ao clube, contribuiu com gol e assistência. Roger, surpresa de Osmar Loss para o time, não conseguiu boa atuação do ponto de vista técnico. Brigou bastante, abriu espaços e fez um gol. 

Foi Carille quem solicitou a contratação de Ralf e também tornou Emerson Sheik uma das principais opções do banco. Diante do Colo-Colo, ainda sem o ritmo ideal após afastamento por duas lesões diferentes, o volante foi um dos piores em campo e falhou no combate a Valdívia. Não comprometeu em lances decisivos, mas esteve abaixo de seus melhores momentos. 

Sheik, por sua vez, foi o único atacante a quem Loss recorreu em noite de muitos problemas - Pedro Henrique, Fagner e Pedrinho se lesionaram. Herói da conquista de 2012, Emerson teve entretanto mais uma edição de Libertadores sem brilho e com cartão vermelho [na fase de grupos], como já havia ocorrido em 2015. Contra os chilenos, acertou um bom cruzamento, mas se mostrou ansioso em batida de longe, que passou distante do gol de Orion. 

Com 29 anos e já em janeiro desejado por Carille para dar mais peso à lateral esquerda, Danilo Avelar só chegou na parada da Copa em razão da saída de Sidcley. Com experiência larga em ligas europeias e debutante em Libertadores, deixou o Corinthians com 10 nos acréscimos ao se irritar com a queda de um chileno. 

Outros reforços mais velhos imaginados para o torneio sequer conseguiram contribuir como Carille - e depois Loss - imaginavam. Casos de Renê Júnior, que teve quatro lesões desde a chegada ao Corinthians e só jogará de novo em 2019, de Júnior Dutra, que não agradou e foi emprestado ao Fluminense, e de Jonathas, que também machucado nem jogou na Libertadores. Danilo, que teve o contrato renovado a pedido do ex-treinador, ficou no banco, mas não entrou diante do Colo-Colo.   

Entre os mais jovens do grupo, Pedrinho deixou a partida de eliminação como um dos melhores do time, mas não suportou o ritmo da partida e foi sacado por cãimbras, Douglas deu estabilidade e bom passe ao meio e Mateus Vital entrou nos minutos finais, sem muito destaque. Já o jovem Léo Santos, apesar de mostrar personalidade, foi batido no gol de Barrios. 

O rejuvenescimento do elenco do Corinthians pós-Copa do Mundo, principalmente, é algo desenhado pelo atual presidente Andrés Sanchez, que assumiu o clube em fevereiro e desde então reduziu a média de idade do elenco em conjunto com Osmar Loss. O clube ainda espera pelo melhor desempenho de jovens recentemente contratados como o chileno Araos e o paraguaio Sergio Díaz.  

Futebol