PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Com 2 gols em mais de 50 jogos, Pedrinho ainda é lapidado no Corinthians

Pedrinho, meia do Corinthians, é uma das armas para duelo com chilenos - Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians
Pedrinho, meia do Corinthians, é uma das armas para duelo com chilenos Imagem: Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Dassler Marques

Do UOL, em São Paulo

29/08/2018 12h00

Na chegada ao profissional no ano passado, Pedrinho atropelou concorrentes em poucos meses. Em 2018, gerou clamor dos corintianos para que fosse titular. Mas, mesmo depois de ganhar todo o espaço necessário, o xodó dos torcedores sente dificuldades para colocar para fora todo seu potencial e ainda é lapidado pelo Corinthians. Nesta quarta-feira (29), contra o Colo-Colo pela Copa Libertadores, ele tem mais uma oportunidade de desencantar.

Sem escalação confirmada, o Corinthians de Osmar Loss tem Pedrinho, possivelmente, como titular. Mas, se o treinador optar pela presença do centroavante Roger, o jovem de 20 anos é um dos candidatos a ficar no banco de reservas como opção importante. Embora some alguns bons jogos e o momento do time seja complicado, ele tem encontrado dificuldades em ser decisivo.

Depois de 52 partidas oficiais como profissional, sendo 18 só neste ano como titular, Pedrinho ainda tem dois gols iniciando as partidas, uma média de apenas 0,03 gol por partida. Normalmente aberto à ponta direita, também não conseguiu se transformar em um dos principais garçons do time, e tem quatro assistências para gol desde que foi promovido ao time adulto.

Ele tem problemas físicos? Loss diz que não

Pedrinho - Ale Cabral/AGIF - Ale Cabral/AGIF
Imagem: Ale Cabral/AGIF

Para o treinador Osmar Loss, os problemas físicos de outros tempos ficaram para trás, mas o corpo de Pedrinho precisa de ajustes. "Ele vive um processo de maturação, não é mais um problema físico. Todo jogador tem quedas [dentro dos jogos], a dele talvez seja mais acentuada pela biotipia. [...] Ele ainda precisa evoluir, às vezes ele finaliza sem o melhor equilíbrio corporal, então precisa escolher o melhor momento de finalizar", comentou.

Campeão da Copa São Paulo de 2017 como treinador, com Pedrinho como maior nome da equipe, Loss também falou sobre o estilo de jogo do garoto. "Se ele vai mais para um duelo onde pega um adversário de mais força, ele tem enfrentado dificuldades. Na base mesmo, ele nunca foi um grande artilheiro, mas era mais um cara de assistência, de criar volume para a equipe e outros fazerem os gols", disse.

Defensor da ideia de que Pedrinho precisa evoluir em alguns aspectos para suportar o jogo do profissional, o ex-treinador Fábio Carille entendia, diferentemente de Loss, que o meia muitas vezes perdia a intensidade de suas ações ao longo das partidas se elas tivessem muitas transições - ataques e contra-ataques em sequência, que deixam o jogo mais corrido. Por isso, Carille raríssimas vezes usou o garoto em 90 minutos.

Nesse processo de lapidação, Pedrinho chegou a ganhar mais cinco quilos após tratamento, fez cirurgia para retirada das amígdalas, teve anemia e precisou de um cuidado especial do clube no que diz respeito à alimentação. Embora o jogador estivesse no Corinthians desde a adolescência, só recentemente se traçou um diagnóstico de que ele comia mal, com excesso de redes de fast food, por viver sozinho em São Paulo.

Nas pontas, o desgaste é muito maior

pedrinho dribla - Daniel Vorley/AGIF - Daniel Vorley/AGIF
Imagem: Daniel Vorley/AGIF

Após a Copa do Mundo, Loss chegou a esboçar um sistema de jogo em que Romero atuava como ponta para perseguir laterais e infiltrar na área, o que deixava Pedrinho mais livre do trabalho defensivo e com uma área de ação menor, mais próximo do gol, onde pudesse ser decisivo. Assim, contra o Vasco em vitória por 4 a 1, teve um de seus melhores jogos pelo clube, mas não recebeu sequência na posição.

Como efeito dessa tática, treinadores de outras equipes passaram a utilizar jogadores mais fortes fisicamente no combate a Pedrinho e exploraram, em alguns jogos, a fragilidade dele para o trabalho defensivo mais sujo. Um exemplo foi essa orientação por Tiago Nunes ao lateral Renan Lodi, recentemente, em duelo contra o Atlético-PR em Itaquera. Lodi e os companheiros exploraram triangulações no setor de campo defendido pelo jovem corintiano.

Confiante de que pode extrair o melhor de Pedrinho, Loss tem incentivado que ele arrisque cada vez mais a gol, já que tem a batida de longe como uma virtude. "Ele tem aumentado seu número de finalizações a cada partida, e com finalizações certas. Contra o Paraná, ele finalizou cinco vezes. Não podemos deixar de lembrar que ele acabou de completar 20 anos e vai aprender a hora de acelerar, cadenciar, algo que vai aprendendo dentro de campo", analisou o treinador.

Em dificuldade financeira, o Corinthians torce muito para que ele se desenvolva. Nas duas últimas janelas de transferência, os agentes Kia Joorabchian e Giuliano Bertolucci testaram a penetração do jovem no mercado europeu com tentativas de oferecimento de Pedrinho em clubes como Ajax, PSG, Liverpool e Chelsea, mas nenhuma das equipes de fato se seduziu por ele, que tem multa rescisória de 50 milhões de euros. No mercado interno, equipes como Vitória e Fluminense tentaram um empréstimo, sem sucesso.

CORINTHIANS x COLO-COLO

Data: 29 de agosto de 2018, quarta-feira
Horário: 21h45 (de Brasília)
Competição: Copa Libertadores (duelo de volta pelas oitavas de final)
Local: Arena Corinthians, em São Paulo (SP)
Árbitro: Nestor Pitana (Argentina)
Auxiliares: Juan Belatt e Gustavo Rossi (ambos Argentina)

CORINTHIANS: Cássio (Walter); Fagner, Pedro Henrique, Henrique e Danilo Avelar; Ralf e Douglas; Pedrinho (Roger), Jadson e Clayson; Romero. Treinador: Osmar Loss.

COLO-COLO: Orion; Zaldivia, Barroso e Insaurralde; Opazo, Baeza, Carmona e Damián Pérez; Valdívia; Paredes e Barrios. Treinador: Héctor Tapia.

Futebol