PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Após defender torcida em confusão, Rodrygo diz ter sido mal interpretado

Do UOL, em São Paulo

29/08/2018 16h28

O atacante Rodrygo se manifestou nas redes sociais sobre as declarações dadas após a partida entre Santos e Independiente, na última terça-feira (28), pela Libertadores. Na ocasião, o jogador afirmou que a torcida estava certa em interromper o duelo.

Em seu Instagram, Rodrygo disse esquecer às vezes não ser mais um "menino" e que sua declaração pode ter sido interpretada de maneira errada.

"Uma competição que sempre sonhei jogar, sempre assisti aos jogos do Santos e logo na minha primeira oportunidade ser da forma que foi é lamentável! Às vezes esqueço que não sou mais aquele menino que podia falar o que pensava que não teria repercussão, embora eu ainda tenha só 17 anos! Talvez, a forma como me expressei tenha gerado uma interpretação errada de alguns. De maneira alguma posso concordar com violência. Não defendo tal atitude. Eu quis dizer que me comportaria com muita tristeza e insatisfação pelo que aconteceu dentro e fora de campo. E que vi a torcida fazendo festa antes e durante o jogo, com apoio e confiança na virada, algo que também faria", afirmou.

Depois da partida, Rodrygo disse que uma confusão era esperada depois da decisão da Conmebol. A entidade máxima do futebol sul-americano puniu o Santos pela escalação irregular de Carlos Sánchez. O jogo de ida contra o Independiente teve o placar alterado de 0 a 0 para vitória do clube argentino por 3 a 0.

"O jogo terminou quando saiu o resultado do julgamento. Essa vergonha que saiu. Minha vontade era falar um monte de merda aqui, mas querer não é poder, tenho de ficar quieto", disse Rodrygo depois do jogo.

"A gente imaginava (que poderia ter confusão). Acho que torcida fez certo. Acontecer uma vergonha dessa, a torcida está totalmente certa em fazer o que fez hoje", continuou.

A confusão teve início aos 36 minutos do segundo tempo, com a partida empatada em 0 a 0. Bombas foram lançadas em direção ao campo e torcedores chegaram a invadir o gramado. A Secretaria de Esportes e Lazer de São Paulo estimou em mais de 60 cadeiras quebradas na confusão.

Futebol