Topo

Futebol


Cuca critica diretoria do Santos no caso Sánchez: "tem que melhorar muito"

Ale Cabral/AGIF
Imagem: Ale Cabral/AGIF

Do UOL, em Santos (SP)

28/08/2018 22h32

Após o empate sem gols com Independiente e a eliminação nas oitavas de final da Copa Libertadores da América, o técnico Cuca reprovou a postura da Conmebol em relação a punição no “caso Sánchez”, porém ele não deixou de criticar a diretoria do Santos por cometer falhas em não conferir mais profundamente a expulsão do uruguaio na Copa Libertadores da América.

Para o treinador, a cúpula alvinegra precisa melhorar e muito profissionalmente. Ele considerou um erro infantil e que ajudou a provocar toda a confusão no jogo desta terça-feira, no Pacaembu. No final da partida, a torcida tentou invadir o campo e lançou rojões em direção ao gramado. 

“Eu posso ser mandado embora, mas vou falar. O Santos tem que melhorar muito profissionalmente, internamente, muito, não é pouca coisa não. Isso que ocorreu é um erro muito grave e muito grande, é ‘beabá’ do futebol, de situações. Isso resulta em tudo que aconteceu hoje. O torcedor já veio louco da vida para o jogo. A gente veio sem poder dormir. Precisamos melhorar e muito. Eu quero o bem do Santos”, afirmou Cuca.

O treinador não poupou críticas a Conmebol. Na visão do treinador, o grande erro da entidade foi comunicar a punição somente horas antes do duelo desta terça-feira. Cuca alega que o time não pôde se preparar da maneira adequada para o confronto.

“Eles entram em campo com uma punição, poderia ter vindo com 24 horas, mas hoje chega à notícia e não ontem (segunda-feira). É falta de respeito com os profissionais que estão aqui. Tivesse noticiado ontem, a gente ia trabalhar um pouco melhor a cabeça deles. Mesmo precisando fazer três, colocamos um time um pouco exposto”, disse.

Cuca aprovou a atitude da arbitragem que encerrou o jogo aos 36 minutos do segundo tempo por falta de segurança, já que os torcedores tentavam invadir o campo e lançavam rojões em direção ao gramado.

“Foi horrível, horroroso, não teve preparação adequada, o time não foi bem, não conseguiu controlar a ansiedade de fazer três gols. Não jogamos tão mal o adversário jogou melhor que nós. Acabou, o Victor (Ferraz) queria que o jogo fosse até o fim. Já vimos aqui o alambrado ir abaixo e não podíamos deixar isso acontecer. Ele foi acertadíssimo em acabar o jogo. Uma que não íamos fazer três gols no jogo e víamos a correria em volta do gramado. O juiz fez certinho em acabar o jogo, o adversário não tem nada a ver com o que aconteceu, parabéns”, declarou.

O Santos empatou por 0 a 0 com Independiente, da Argentina, nesta terça-feira, no Pacaembu, pelo jogo de volta das oitavas de final da Copa Libertadores da América, e foi eliminado da competição continental. Apesar do empate sem gols na partida de ida, o time brasileiro iniciou o duelo perdendo por 3 a 0 após receber punição Conmebol devido a escalação irregular do volante Carlos Sánchez. O jogo foi encerrado antes de seu final, aos 35 minutos do segundo tempo, por conta de tentativa de invasão dos torcedores no gramado.

No final da partida, quando os torcedores perceberam que o Santos não reverteria a decisão do "tapetão", eles começaram a lançar rojões no gramado e tentaram invadir o campo. A partida foi paralisada e a Polícia Militar teve que conter a revolta da torcida.

Agora a diretoria santista promete recorrer a Justiça antes do início da próxima fase para tentar reverter a decisão da entidade máxima do futebol sul-americano.

Mais Futebol