PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Após 9 minutos no profissional, atacante corintiano vê Copinha como chance

Diego Salgado

Do UOL, em São Paulo

18/01/2019 15h32

Rafael Bilu já sentiu o gostinho de entrar em campo pelo time profissional do Corinthians, com direito a nove minutos de jogo em plena Arena de Itaquera já na reta final da temporada passada, contra a Chapecoense. No começo deste ano, o meia-atacante voltou à base para o último ato na equipe sub-20. 

Na noite desta sexta-feira, o atleta de 19 anos, que também chegou a realizar treinos na equipe de cima no ano passado, tentará ajudar o time alvinegro a conseguir uma vaga nas semifinais da competição, numa disputa com o Grêmio, na Arena Barueri.

"[A Copinha] representa uma nova chance de eu mostrar meu futebol para a torcida, para a diretoria do Corinthians e para o Brasil. É uma nova oportunidade para terminar meu ciclo de base com um título", disse Bilu em entrevista ao UOL Esporte.

Bilu estreou na Copinha apenas na segunda fase do torneio, pois precisou se recuperar de uma lesão no tornozelo. Em três jogos, fez dois gols e contribuiu para que o Corinthians se mantivesse na briga pelo 11º título na história. 

"Jogando a Copinha bem, fazendo gols e ajudando o time a ser campeão a torcida meio que começa a te pedir lá em cima. Você fica já com grandes chances de se juntar com o elenco profissional. Enxergo a Copinha como uma vitrine para os jogadores, porque não são só os profissionais dos times que estão olhando, mas sim o Brasil inteiro, olheiros de clubes pelo mundo também estão de olho. É uma oportunidade de cada jogador mostrar o seu futebol", afirmou.

Para ele, a passagem pelo time de cima contribui para melhorar o desempenho individual nos jogos da base. "Ajuda na leitura de jogo, ser mais inteligente no campo. Estando no profissional você começa a jogar mais com a cabeça também", ressaltou.

Apesar de ainda não ter nem completado 20 anos, a pressão não é vista como um empecilho, pelo contrário. "Pressão sempre vai ter, jogador do Corinthians que não quer pressão não serve para jogar aqui. Mas eu eu levo esse tipo de pressão por um lado bom, como uma motivação a mais", frisou.

Bilu também destacou que Pedrinho, atleta que atua na mesma posição, é uma das referências para ele. Em 2017, o jogador foi o maior destaque da campanha do título da Copinha e em seguida passou aos profissionais, com chances até nos jogos do Brasileirão

"O Pedrinho é um ótimo jogador, fez história na base, jogou bem a Copinha e em seguida subiu para profissional fazendo boas partidas e gols. Claro que pode ser um espelho para qualquer jogador que está aqui hoje", disse o jogador, que se lembrou também do meia Fessin, fora da Copinha devido a uma fratura no segundo jogo do torneio.

"Com o Fessin o grupo já estava unido. Com ele o time era bem mais forte. Infelizmente aconteceu essa triste lesão com ele, mas agora levamos isso como uma motivação. Sabíamos do quanto ele queria estar jogando essa competição, do quanto ele espera o título. Vamos trazer esse presente não só para ele mas para nós também", destacou.

Corinthians faz 8 a 0 no Visão Celeste e avança na Copinha

Jogo Aberto

Futebol