PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Auxiliar ganha pontos importantes, mas segue como interino no Atlético-MG

Victor Martins

Do UOL, em Belo Horizonte

22/02/2018 08h28

Nesta sexta-feira o Atlético-MG vai completar duas semanas sem treinador. Desde que demitiu Oswaldo de Oliveira, o clube mineiro segue em busca de um novo técnico. Enquanto a diretoria não acerta com um novo nome, a função é exercida pelo auxiliar Thiago Larghi, de forma interina. Nessa quarta-feira o Galo venceu o Botafogo-PB por 4 a 0, fora de casa, pela segunda fase da Copa do Brasil.

A classificação deu pontos importantes para que o auxiliar deixe de ser interino e seja efetivado no cargo de treinador do Atlético. A goleada na Paraíba e o triunfo por 3 a 0 sobre o América-MG fizeram o prestígio de Larghi crescer consideravelmente entre os torcedores alvinegros.

Embora ele seja considerado o favorito para ser anunciado como novo treinador do clube, Thiago Larghi segue como interino, como avisou o presidente Sérgio Sette Câmara. O mandatário alvinegro disse em entrevista à rádio "Super Notícia FM", antes do confronto com o Botafogo-PB, que continua a procura por um técnico.

“O Thiago é um funcionário fixo do clube. Ele está interinamente nessa posição. Estamos avaliando o trabalho dele e alguns nomes. Não estou com pressa. O trabalho dele tem sido muito bem feito, tem experiência de trabalhar com outros treinadores e está colocando em prática. O conhecimento dele ainda é muito maior do que a embocadura que ele tem como treinador, mas acredito que isso aí ele vai adquirir com o tempo. Nós ainda não temos isso ajustados, ele ainda não é o treinador do clube, está interinamente, mas estamos avaliando o trabalho dele e outros nomes”.

Prestígio entre os jogadores do Atlético

Os casos recentes de Zé Ricardo, no Flamengo, e Fábio Carille, no Corinthians, de auxiliares que se tornaram treinadores, pesam a favor da efetivação de Thiago Larghi. Diferentemente dos exemplos citados, de funcionários com longa ligação com os respectivos clubes, o treinador interino do Atlético chegou à Cidade do Galo há poucos meses, em setembro do ano passado, como auxiliar de Oswaldo de Oliveira.

Mesmo com o pouco tempo de convívio com os jogadores e os poucos treinos em que foi o responsável pela atividade, Larghi já goza de muito prestígio entre os atletas. Tanto que o trabalho feito nos últimos dias é bastante destacado por todos dentro do clube.

“O futebol é um esporte coletivo. Para as coisas darem certo, todos precisam correr, contribuir. Para um treinador ser reconhecido, o trabalho dentro de campo precisa ser bem feito. Nossa parte, estamos fazendo, correndo, dando o máximo. O Thiago pede para fazermos e tentamos dar o máximo do que ele pede. O time acabou se entendendo melhor em campo e os resultados estão vindo com autoridade”, comentou Ricardo Oliveira.

Empenho é o mesmo da época do Oswaldo

Contra o América-MG o Atlético não apresentou um grande futebol. Mas teve uma atuação segura e soube decidir o jogo quando teve as oportunidades. O desempenho melhorou diante do Botafogo-PB, até por ser uma equipe mais limitada do que o rival local, que em 2018 está na elite do futebol brasileiro. Mas de fato o Galo se apresentou bem melhor nas últimas duas partidas do que havia mostrado nos primeiros jogos do ano, sob o comando de Oswaldo de Oliveira.

“Todo mundo está trabalhando, o time não mudou. A filosofia do Oliveira continua”, comentou Luan.

Quem também afastou polêmica envolvendo o assunto foi o atacante Róger Guedes. Na visão do camisa 23, o empenho dos jogadores é o mesmo da época de Oswaldo de Oliveira. Para o autor do primeiro gol alvinegro diante do Botafogo-PB, a mudança foi apenas nos resultaos.

“Também estávamos correndo muito com o Oswaldo, dando a vida em campo, mas os resultados não vinham. Graças a Deus as coisas estão mudando, esperamos continuar assim durante o ano”.

Larghi mantém cautela sobre o futuro

Quando decidiu pela demissão de Oswaldo de Oliveira, a diretoria do Atlético também dispensou outros quatro profissionais da comissão técnica. Thiago Larghi foi mantido como auxiliar fixo do clube. A primeira missão foi se tornar treinador interino até que o clube contrate um novo técnico.

Com a pequena evolução já apresentada pelo time, especialmente pelos resultados recentes, contra América-MG e Botafogo-PB, Larghi ganhou pontos importantes para ser efetivado no posto. No entanto, o profissional do clube evita demonstrar qualquer tipo de expectativa. O discurso é de quem pensa jogo a jogo.

“Meu foco continua sendo o trabalho do momento. Sou grato por ser auxiliar do clube, tenho orgulho de vestir essa camisa. Procuro desempenhar da melhor maneira possível essa função de auxiliar e técnico interino”, garantiu Larghi, que no domingo vai comandar o Atlético contra o Tupi, pelo Campeonato Mineiro, em Juiz de Fora. Possivelmente ainda como interino.

“Essa decisão compete à diretoria. Meu trabalho é gerir o grupo de jogadores, que está empenhado. Meu foco é fazer o trabalho, como tenho feito”, completou.

Futebol