PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Antes necessidade, rodízio vira motivação no Palmeiras de Felipão

Dudu comemora gol do Palmeiras, que tem rodízio como motivação - Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação
Dudu comemora gol do Palmeiras, que tem rodízio como motivação Imagem: Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação

Danilo Lavieri

Do UOL, em São Paulo

13/11/2018 12h00

"Todos têm qualidade, dependendo do jogo, vamos fazendo opções. Tem três ou quatro jogadores (que não enfrentaram o Atlético-MG) que já sabem que serão titulares contra o Fluminense". A frase de Felipão deixa claro que o Palmeiras continuará alternando entre seus jogadores mesmo com o calendário reduzido.

Em busca do 10º título de Campeonato Brasileiro da sua história, o clube tem o rodízio, agora, como um fator de motivação para o farto elenco. O que antes era necessidade, por conta dos jogos sem nenhum descanso entre Copa do Brasil e Libertadores, hoje é uma escolha do treinador.

Claro que lesões e suspensões forçam mudanças na equipe, mas Felipão vai além do que é forçado para brindar seus jogadores. Contra o Atlético-MG, por exemplo, o técnico preferiu dar chance a Alejandro Guerra e colocou Lucas Lima e Gustavo Scarpa no banco.

Agora, diante do Fluminense, poderá escalar Mayke, que está liberado de sua suspensão, ou Marcos Rocha, que se recuperou de lesão. A esquerda vive situação parecida, com a briga entre Diogo Barbosa e Victor Luís.

Moisés está machucado e, como o rodízio deve persistir, Lucas Lima pode ter a sua chance. Scarpa corre por fora para assumir a criação da equipe ou até para poupar Willian, que jogou contra o Atlético-MG após recuperação recorde.

À frente, Deyverson está suspenso e dará lugar a Borja. Na formação da defesa, Felipão deve optar pelo rodízio por opção. Titulares por opção contra o Atlético-MG, Edu Dracena e Antônio Carlos devem ficar no banco para as entradas de Gustavo Gómez e Luan.

Esporte