PUBLICIDADE
Topo

Kleber lidera motim, Felipão ameaça demissão e quer afastamento do Gladiador

Felipão e Kleber protagonizaram briga feia em reunião na Academia de Futebol - Almeida Rocha/Folhapress e Junior Lago/UOL
Felipão e Kleber protagonizaram briga feia em reunião na Academia de Futebol Imagem: Almeida Rocha/Folhapress e Junior Lago/UOL

Luiza Oliveira e Ricardo Perrone

Em São Paulo

12/10/2011 00h44

A agressão a João Vitor não despertou apenas o sentimento de medo nos jogadores do Palmeiras, mas acabou provocando a verdadeira revolta e uma grande confusão com a diretoria e o técnico Luiz Felipe Scolari. Kleber liderou um motim e, apoiado pelos outros atletas, ameaçou não entrar em campo contra o Flamengo, quarta-feira, no Engenhão.

JOÃO VITOR É AGREDIDO POR TORCIDA

  • Divulgação

    O volante João Vítor foi agredido por torcedores em frente a uma loja oficial do Palmeiras, na Zona Oeste de São Paulo. O atleta estava no local para comprar uma camisa quando foi abordado. O jogador sofreu escoriaçoes leves e saiu escoltado pela Polícia Militar antes de ir a um hospital. Leia

Felipão se irritou com a falta de comando da diretoria e falou até em demissão. O treinador quer punição rigorosa para os rebeldes e ameaça não viajar para o Rio de Janeiro se Kleber estiver na delegação. Ele quer o afastamento do atacante.

Todo o grupo estava concentrado na Academia de Futebol e se preparava para viajar às 21h para o Rio de Janeiro. Mas a notícia de que o colega foi agredido na tarde desta terça-feira alterou toda a programação.

Tomados pelo medo e pela preocupação com que novos incidentes ocorressem, os jogadores se reuniram com a diretoria. Os líderes, representados por Marcos, Marcos Assunção e Mauricio Ramos, cobraram proteção e uma ação mais enérgica da cúpula contra fatos tão inadmissíveis, na visão deles.

Mas a reunião fugiu do controle. Kleber se revoltou e discutiu abertamente com o vice de futebol Roberto Frizzo, que ordenou que todos entrassem no ônibus para se concentrarem em um hotel na Zona Norte de São Paulo e seguirem para a capital fluminense no dia seguinte. O Gladiador desrespeitou a regra e ameaçou não entrar em campo, caso a diretoria não tomasse uma atitude.

PERRONE CONTA OS BASTIDORES DA CRISE

A decisão de afastar Kléber da delegação do Palmeiras foi tomada pelo presidente Arnaldo Tirone nas primeiras horas desta quarta-feira.

O atacante pegou seu carro e foi para casa, apoiado pelos outros atletas que se negaram a entrar no ônibus e também foram para suas residências. Fernandão e Ricardo Bueno apoiaram o Gladiador desde o início, enquanto Marcos Assunção e Henrique ficaram contra. 

Sem nada a fazer, a diretoria ordenou que todos se apresentem no centro de treinamento às 7h30 para a viagem. A confusão chegou ao ponto de um funcionário do clube ligar durante a noite para cada jogador avisando o horário que eles devem chegar à Academia. A cúpula, no entanto, não tem qualquer garantia e teme que eles não apareçam.

Felipão observou todas as desavenças e deixou Frizzo tentar contornar a situação. No entanto, ao ver o descontrole de Kleber e perceber que perdeu o comando do grupo ficou muito nervoso. Ameaçou entregar o cargo para o presidente Arnaldo Tirone, que não estava presente. Após horas de negociações, o treinador se acalmou, mas ainda segue irredutível quanto a Kleber.

A assessoria de imprensa do treinador disse não ter informações sobre o imbróglio por estar fora do país.

Esporte