PUBLICIDADE
Topo

Tales Torraga

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Rivais? O dia em que a Argentina de Bielsa e o Uruguai "armaram" um empate

Dario Silva comemora gol contra a Argentina em 2001 - Reprodução Olé
Dario Silva comemora gol contra a Argentina em 2001 Imagem: Reprodução Olé
Conteúdo exclusivo para assinantes
Tales Torraga

Jornalista e escritor, Tales Torraga nasceu em Mogi das Cruzes (SP), mas é, segundo os colegas, "mais argentino que os próprios argentinos". Morou em Buenos Aires e Montevidéu, girou pela imprensa brasileira e portenha e escreveu 15 livros ? o último deles, Copa Loca, é sobre a...Argentina nos Mundiais.

Colunista do UOL

18/06/2021 12h00

''Se não armam este empate de 2001 com a Argentina, o Uruguai completaria a terceira Copa do Mundo seguida sem disputar. Sim, foi um acerto. Aqui no Uruguai todo mundo sabe bem. A Argentina já estava classificada?''

O autor da declaração bombástica foi ninguém menos que o ex-técnico uruguaio Juan Ramón Carrasco em entrevista à Rádio Aspen, de Buenos Aires, em 2014. Em 14 de novembro de 2001, Uruguai e Argentina se enfrentaram pelas Eliminatórias para a Copa de 2002, e o 1 a 1 teve seus dois gols no primeiro tempo, aos 18 com Darío Silva (para o Uruguai) e aos 44, com Claudio López (para a Argentina). O árbitro foi o alemão Markus Merk. Victor Púa era o técnico do Uruguai; o treinador da Argentina naquela ocasião no Estádio Centenário era Marcelo ''El Loco'' Bielsa.

Era a última rodada daquelas Eliminatórias. O Uruguai terminou em quinto e precisou superar a Austrália na repescagem para jogar o Mundial da Ásia. Quem se deu mal foi a Colômbia, que perdeu todas as suas chances com o "pacto de não agressão" na segunda etapa, como foi o tom usado pela cobertura dos jornais argentinos de então. Ivan Córdoba, capitão daquela Colômbia, relatou que Javier Zanetti chegou a pedir-lhe desculpas em um encontro posterior, admitindo o acerto.

Igualdades seguidas

A reminiscência deste empate ''acertado'', segundo as palavras do técnico uruguaio que assumiu a seleção em 2003, ressurgiu em Buenos Aires nesta semana. Para quem adora uma teoria da conspiração sem cair no ridículo, a versão que roda pela capital como as desgastadas notas dos pesos argentinos é que o pacto de cavalheiros, afinal, agora é conduzido por Lionel Messi e Luis Suárez, amigos inseparáveis desde o Barcelona.

Para "reforçar" esta "tese", lembram sempre que os dois últimos clássicos entre Argentina e Uruguai terminaram...empatados. Nas Eliminatórias para a Copa de 2018, em Montevideu, ambos arrastaram um 0 a 0, e em 2019, em um amistoso em Tel Aviv, o 2 a 2 só saiu aos 47 do segundo tempo, com um gol de Messi - e de pênalti, ainda por cima.

Uruguai e Argentina, vale reforçar, faziam nos primórdios o principal clássico entre ambos, ao menos até o Brasil despontar para o mundo, nos anos 1950.

E hoje?

Argentina e Uruguai jogam às 21h (de Brasília), no estádio Mané Garrincha, em Brasília pela segunda rodada do Grupo A da Copa América, com transmissão da ESPN Brasil.

Os uruguaios fazem seu primeiro jogo na competição; Messi e companhia buscam a primeira vitória depois do 1 a 1 com o Chile na última segunda-feira.

A Argentina surge com os seguintes titulares do técnico Lionel Scaloni: Martínez; Montiel, Romero, Otamendi e Tagliafico; De Paul, Paredes e Lo Celso; Messi, Lautaro Martínez e Nico González (Di María).

O Uruguai do interminável Óscar Tabárez terá: Muslera; González, Giménez, Godín e Cáceres; Torres, Torreira, Valverde e Rodríguez; Suárez, Cavani.