PUBLICIDADE
Topo

Saque e Voleio

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Bia Haddad e Danilina batem japonesas cabeças 2 e vão à final na Austrália

Getty Images
Imagem: Getty Images
Alexandre Cossenza

Alexandre Cossenza é bacharel em direito e largou os tribunais para abraçar o jornalismo. Passou por redações grandes, cobre tênis profissionalmente há oito anos e também escreve sobre futebol. Já bateu bola com Nadal e Federer e acredita que é possível apreciar ambos em medidas iguais. Contato: ac@cossenza.org

Colunista do UOL

26/01/2022 23h32

A incrível sequência da parceria formada pela brasileira Bia Haddad Maia e a cazaque Anna Danilina ganhou mais um episódio brilhante nesta quinta-feira (noite de quarta no horário de Brasília). Elas derrotaram as japonesas Shuko Aoyama e Ena Shibahara, cabeças de chave número 2 do torneio de duplas, e avançaram à final do Australian Open por 6/4, 5/7 e 6/4.

A vaga na decisão faz de Haddad Maia a primeira mulher brasileira a alcançar uma final de slam em duplas femininas desde Maria Esther Bueno, que foi vice do US Open em 1968. A paulista de 25 anos também se torna a primeira brasileira em uma final de Australian Open desde 1965 - outro feito que ninguém alcançava desde Maria Esther. A maior tenista da história do Brasil foi campeã do torneio em 1960 e fez sua última final lá em 1965.

Brasileira e cazaque juntaram-se quase por acaso a poucas semanas do Australian Open. Haddad Maia disputaria o WTA 500 de Sydney ao lado da argentina Nadia Podoroska, que desistiu de última hora. Danilina preencheu a vaga, e a parceria foi campeã em Sydney. As duas agora somam nove vitórias consecutivas.

A final será contra a vencedora do jogo entre as tchecas Barbora Krejcikova e Katerina Siniakova, cabeças de chave 1, e o time formado pela belga Elise Mertens e a russa Veronika Kudermetova, que são as cabeças 3.

Como aconteceu

O primeiro set foi equilibrado e começou com uma quebra a favor de Haddad Maia e Danilina, mas as japonesas devolveram a quebra imediatamente e igualaram o placar em 2/2. A sequência crucial para brasileira e cazaque começou no oitavo game, quando Danilina precisou sacar em 3/4 e 0/40. Danilina sacou bem, e Haddad Maia esteve impecável junto à rede, e ambas salvaram os três break points. No game seguinte, com mais intervenções decisivas da brasileira na rede, ela e sua parceira conseguiram mais uma quebra de saque. Com o placar em 5/4, coube a Bia confirmar seu serviço e fazer 6/4.

O segundo set começou igual. Aproveitando-se do saque fraco de Aoyama, que tem apenas 1,54m de altura, Haddad Maia e Danilina conseguiram a primeira quebra da parcial e fizeram 2/1. Desta vez, a cazaque confirmou seu serviço no quarto game, abrindo 3/1, e as japonesas não conseguiram mudar a dinâmica do jogo depois disso. Danilina até teve seu saque ameaçado no oitavo game, mas as japonesas desperdiçaram um break point quando Shibahara mandou para longe uma paralela com o corredor aberto. No game seguinte, Haddad Maia e Danilina tiveram um match point no saque de Shibahara, mas um voleio de Aoyama, em uma bola que pegou no aro da raquete, salvou o time japonês.

Coube, então, à brasileira sacar em 5/4 para confirmar o saque e carimbar a vaga na final, mas a vitória não viria tão fácil. Bia errou uma paralela e, diante de um break point, cometeu uma dupla falta, o que deixou o placar em 5/5. O momento do jogo mudou radicalmente, e quando Danilina precisou sacar em 5/6, as japonesas tiveram dois set points. Logo no primeiro, uma boa devolução de Aoyama forçou um erro da cazaque e fechou a parcial em 7/5, forçando o terceiro set.

Ayoama e Shibahara venceram cinco games consecutivos até que Bia confirmou seu serviço para igualar a parcial decisiva em 1/1. Em seguida, a história se repetiu. Aoyama perdeu o game de serviço ao cometer uma dupla falta no break point, e Haddad Maia e Danilina tiveram 2/1 de vantagem novamente. Desta vez, brasileira e cazaque aproveitaram. Bia conseguiu salvar dois break points em seu serviço, abrindo 4/2, e a vantagem foi mantida até que a paulista novamente teve a chance de sacar para a final com 5/4 no placar. A segunda chance, porém, teve final feliz.

.

Quer saber mais? Conheça o programa de financiamento coletivo do Saque e Voleio e torne-se um apoiador. Com pelo menos R$ 15 mensais, apoiadores têm acesso a conteúdo exclusivo (newsletter, podcast e Saque e Voleio TV), lives restritas a apoiadores, além de ingresso em grupo de bate-papo no Telegram, participação no Circuito dos Palpitões e promoções imperdíveis como esta.

Acompanhe o Saque e Voleio no Twitter, no Facebook e no Instagram.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do que foi publicado, Bia Haddad Maia disputou o WTA 500 de Sydney, e não o WTA 250 de Sydney. O erro foi corrigido.