PUBLICIDADE
Topo

Saque e Voleio

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Medvedev derruba Djokovic, conquista US Open e impede o Grand Slam

EFE
Imagem: EFE
Conteúdo exclusivo para assinantes
Alexandre Cossenza

Alexandre Cossenza é bacharel em direito e largou os tribunais para abraçar o jornalismo. Passou por redações grandes, cobre tênis profissionalmente há oito anos e também escreve sobre futebol. Já bateu bola com Nadal e Federer e acredita que é possível apreciar ambos em medidas iguais. Contato: ac@cossenza.org

Colunista do UOL

12/09/2021 19h33

Há 52 anos, um homem não conquistava os três primeiros slams de uma temporada. Novak Djokovic, então, fez um 2021 espetacular e tornou-se campeão do Australian Open, de Roland Garros e de Wimbledon. Depois de 27 vitórias seguidas em slams, faltava "apenas" a final deste domingo para conquistar o US Open e fechar o Grand Slam, um dos feitos mais espetaculares e raros do tênis.

Diante de Daniil Medvedev, porém, a carruagem que levou Novak Djokovic à beira do feito histórico transformou-se pouco a pouco em abóbora. O russo, atual número 2 do mundo, foi mais consistente, executou seu plano de jogo à perfeição e, enquanto Nole mostrava-se impaciente e errático, "furtou" a final deste domingo. Por 6/4, 6/4 e 6/4, Medvedev bateu o homem que foi imbatível por 27 jogos e tornou-se o novo campeão do US Open.

O primeiro título de slam de Daniil vem em sua terceira tentativa. Sua primeira final em torneios deste porte veio em 2019, no US Open, quando foi superado por Rafael Nadal. A segunda chance foi no Australian Open deste ano, mas o russo tombou diante de Djokovic. Agora Medvedev dá o troco no sérvio e entra para a lista de campeões.

De quebra, o número 2 do mundo impede Djokovic de deixar para trás Rafael Nadal e Roger Federer na lista de homens com mais títulos de slam em simples na carreira. Os três seguem empatados com 20 troféus cada. O quarto maior campeão na categoria é Pete Sampras, com "apenas" 14.

A derrota de Djokovic também significa que os livros de história continuarão a registrar apenas dois homens na lista de donos do Grand Slam propriamente dito, vencendo os quatro torneios na mesma temporada: o americano Don Budge, em 1938, e o australiano Rod Laver, em 1962 e 1969.

Como aconteceu

Assim como nas quatro partidas anteriores, Djokovic não jogou seu melhor tênis no primeiro set. Já no primeiro game, cometeu uma dupla falta e, com dois erros seguidos do fundo de quadra, cedeu uma quebra a Medvedev. O sérvio por pouco não viu o russo disparar no placar. No terceiro game, com mais uma dupla falta, Nole encarou mais dois break points (15/40). O número 1 deu uma boa resposta, com um winner de esquerda, uma boa subida à rede e dois aces para confirmar. Não adiantou muito. Medvedev sacava bem, inclusive forçando o segundo serviço, e não dava chances em seus games. E foi assim, com um ace, que o russo fechou o set em 6/4.

Até então, Djokovic, dono da melhor devolução do circuito, havia vencido apenas três pontos no serviço do adversário. Pois no segundo set ele ganhou os mesmos três pontos logo no primeiro game. Nole teve 0/40 e três break points, mas perdeu uma disputa na rede, viu o rival fazer um ace e, na última chance de quebra, jogou um slice na rede. Irritado, descontou a raiva dando raquetadas na própria perna. Pouco depois, no quarto game, o sérvio enfim destruiu a raquete depois de perder mais dois break points.

O número 1 pagou o preço pelo nervosismo no game seguinte. Depois de uma dupla falta e dois erros não forçados, cedeu dois break points. Salvou o primeiro sacando e subindo à rede. No segundo, foi à rede mais uma vez, mas não conseguiu devolver a bola baixa do russo, que abriu 3/2 na parcial.

Enquanto isso, Medvedev executava seu plano de jogo à perfeição. Do fundo de quadra, variava entre bolas sem peso e golpes agressivos, o que dava menos ritmo a Djokovic. Com o saque, o russo continuava ganhando pontos de graça. E assim foi mantendo a dianteira até o décimo game, quando fechou o set graças a um erro feio de Djokovic após uma curtinha: 6/4.

O terceiro set veio, e nada mudava na dinâmica da partida. O veterano tentou subir mais à rede e falhou feio logo no primeiro game, perdendo dois pontos em voleios. Medvedev teve um break point e apostou em uma longa troca. Deu certo. Djokovic errou um slice e cedeu a quebra. O nervosismo do número 1 ficava mais evidente com o passar do tempo. Nole errava até bolas fáceis quando o russo usava curtinhas longas demais, e a pilha de falhas não forçadas só aumentava. No terceiro game, mais do mesmo. Um slice na rede deu a Medvedev mais uma chance de quebra. Djokovic sacou e subiu à rede, mas voleou muito mal e cedeu mais uma quebra.

Duplas faltas e lágrimas

O russo, com dois sets e 4/0 de vantagem, manteve a vantagem com folga até o oitavo game. Com o saque em 5/2, porém, cometeu três duplas faltas - uma delas com match point - e cedeu a quebra. Com mais uma chance para Djokovic, o público passou a fazer ainda mais barulho. Nole confirmou o serviço e forçou o oponente a sacar para o jogo mais uma vez.

Apesar da reação, Djokovic chorava antes do décimo game. Medvedev, então, voltou a apostar em trocas mais longas e se deu bem, abrindo 40/15. No segundo match point, arriscou um segundo serviço e cometeu mais uma dupla falta. Na terceira chance, entretanto, encaixou uma bomba de primeiro serviço que o sérvio não conseguiu devolver. Game, set, match, Medvedev.

.

Quer saber mais? Conheça o programa de financiamento coletivo do Saque e Voleio e torne-se um apoiador. Com pelo menos R$ 15 mensais, apoiadores têm acesso a conteúdo exclusivo (newsletter, podcast e Saque e Voleio TV), lives restritas a apoiadores, além de ingresso em grupo de bate-papo no Telegram, participação no Circuito dos Palpitões e promoções imperdíveis como esta.

Acompanhe o Saque e Voleio no Twitter, no Facebook e no Instagram.