PUBLICIDADE
Topo

Paulo Anshowinhas

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Rayssa Leal vence Troféu Inspire do COB em votação popular

Rayssa Leal vencedora do Troféu Inspire do COB -  Ezra Shaw/Getty Images
Rayssa Leal vencedora do Troféu Inspire do COB Imagem: Ezra Shaw/Getty Images
Conteúdo exclusivo para assinantes
Paulo Anshowinhas

Paulo Anshowinhas é skatista pioneiro, jornalista, radialista e comunicador. Foi juiz do Mundial de skate da Alemanha, chefe da delegação no Mundial do Canadá, comentarista do X Games e fundador da revista Yeah! Skate is my life.

Colunista do UOL

07/12/2021 22h22

O talento da skatista Rayssa Leal brilhou mais uma vez essa noite em Aracaju, durante a Cerimônia do Prêmio Brasil Olímpico, no Teatro Tobias Barreto, em Aracaju, no Sergipe.

Skatista do ano na categoria skate, Rayssa venceu o Troféu Inspire em votação popular, criado em 2021 para homenagear mulheres em destaque no Movimento Olímpico do Brasil. Ela também ficou em terceiro lugar na votação popular da categoria Atleta da Torcida, vencida pela jogadora de vôlei Fernanda Garay, seguida pelo surfista Italo Ferreira.

Apesar de não poder comparecer ao local, Rayssa mandou uma mensagem por vídeo agradecendo os fãs no qual disse: "Quero agradecer a todos que votaram e me ajudaram a vencer o prêmio Inspire", prossegue.

"Espero poder continuar inspirando outras pessoas a acreditarem em seus sonhos, e que possamos ter cada vez mais incentivo para meninas e mulheres praticarem esporte e assim como eu terem a honra de ser uma atleta olímpica, valeu galerinha, tamo junto", comentou a vencedora.

Realizado pelo Comitê Olímpico do Brasil, o evento é considerado a principal premiação esportiva do Brasil e coroou o carisma e o sucesso meteórico desse fenômeno do skate, que em apenas um ano, se destacou nas Olimpíadas, conquistou milhões de seguidores em todo o mundo, subiu no pódio de todas as competições que disputou, e ainda venceu o STU Open, realizado neste domingo no Rio de Janeiro.

Aos 13 anos de idade, Rayssa foi a medalhista mais jovem da história olímpica do Brasil, o que gerou um "turning point" espetacular na vida dessa menina nascida na cidade de Imperatriz do Maranhão, de cerca de 359 mil habitantes.

Com seu jeito meigo, simples e brincalhão, conquistou amizades, prêmios e uma legião de marcas e patrocinadores interessados em associar sua imagem a seus produtos, em postagens simples e diárias nos Stories do Instagram que começavam com o bordão "Bom dia galerinha".

A trajetória de sucesso dessa menina teve início aos sete anos de idade, quando sua mãe Lilian Mendes postou um vídeo onde Jhulia Rayssa Mendes Leal —nome de batismo de Rayssa, andou de skate fantasiada de Sininho azulada— personagem de Peter Pan, e conseguiu acertar um heel flip em uma escadaria.

O vídeo viralizou depois de ser compartilhado por ninguém menos que um dos maiores skatistas de todos os tempos, a lenda americana do vertical Tony Hawk. Assim surgia o fenômeno "Fadinha".

Apadrinhada e tietada, Rayssa é uma estrela em ascensão do skate

Com esse "empurrãozinho" do ídolo, a quem chama de "Tio Toninho", dava início um verdadeiro um conto de fadas da atualidade, impulsionado pelo poder midiático do próprio Tony Hawk que a encontrou em 2020 no tapete vermelho da fama durante a cerimônia de entrega do Prêmio Laureus, o Oscar do esporte mundial, em Berlim, na Alemanha, onde Rayssa foi indicada na categoria Esportes de Ação.

Hawk aproveitou para paparicar sua cria, a quem gravou fazendo um heel flip e postou em sua conta no Twitter: "Tapetes vermelhos são para glamour, esplendor e heellflips", congratulando Rayssa pela indicação na época.

Ao mesmo tempo, Rayssa voltou a se destacar em competições nacionais e internacionais, e aos 11 anos tornou-se vice-campeã mundial da Street League em São Paulo, ficando o primeiro lugar com a também brasileira Pâmela Rosa.

Após a pandemia, Rayssa voltou com carga total, com posições importantes em competições como um terceiro lugar na etapa mundial de Londres, uma vitória na Street League de Los Angeles e um segundo lugar no Dew Tour de Des Moines, em Iowa que criou um embalo necessário para um desafio ainda maior.

Mas foram os Jogos Olímpicos sem dúvida, que tiraram Rayssa do seu lugar-comum, e a levaram para a realização de seus sonhos, e de muita gente que se espelhou nela como uma fonte de inspiração e alegria.

O segundo lugar no pódio olímpico selou de uma vez por todas uma fase gloriosa e incomparável dessa garota, que por respeito, amizade e excelência, faturou o troféu Visa Award, por personificar os valores olímpicos de amizade e ainda doou o prêmio de US$ 50 mil (cerca de R$ 269 mil), para uma instituição de skate que cuida de crianças carentes na cidade de Calmon Viana, distrito de Poá (SP), a ONG Social Skate do skatista Sandro Testinha e Leila Soares.

Rayssa Leal morde medalha oímpica de prata - Julio  Detefon/CBSK - Julio  Detefon/CBSK
Rayssa Leal morde Medalha Olímpica de prata
Imagem: Julio Detefon/CBSK

Para quem estava acostumada com o tempo árido do sertão, Rayssa, ou melhor Fadinha, experimentou então as maravilhas de uma enxurrada, mas dessa vez de patrocinadores de grande peso que fizeram de tudo para aproximar suas marcas desse novo fenômeno global.

Assim grandes marcas de energéticos, tênis, bancos, escolas de idiomas, construtoras e achocolatados estão mantendo esse sonho vivo, isso sem falar em ações pontuais com outros parceiros de peso como a Disney e HBO, e até a renomada joalheria H. Stern, que criou uma coleção de joias inspiradas em Rayssa, e que promete continuar o seu apoio ao menos até o ciclo olímpico de 2024 na França.

Estrelou capa da revista Marie Claire de outubro com o título Voo Livre, e em novembro foi capa da Vogue Brasil com a chamada Em Pleno Voo.

A princesa das Olimpíadas também tem se tornado a queridinha entre os famosos como é o caso de Ronaldo, o Fenômeno, que fez questão de posar ao lado dela, a artista Juliette, a artista Tatá Werneck, o narrador Galvão Bueno, o cantor Emicida, a cantora Preta Gil, a apresentadora Sabrina Sato, o jogador Daniel Alves, a apresentadora Maísa, o nadador Cesar Cielo, o BBB Gil do Vigor, a apresentadora Ana Maria Braga e até a rainha dos baixinhos Xuxa Meneghel, que citou em um post no Instagram: "Tia Xuxa é sua fã".

Isso sem falar em sua "mãe adotiva" e fonte de inspiração a skatista hexacampeã dos X-Games, Letícia Bufoni, que sempre a apoiou e incentivou em suas manobras, e na sua carreira.

Até mesmo sua maior concorrente nas pistas na atualidade, Pâmela Rosa tem sido uma de suas grandes apoiadoras até hoje, e chegou a levar nas costas a própria Rayssa aos 11 anos, durante a final da Street League em São Paulo em 2019, onde Rayssa ficou em segundo lugar.

Todo esse encanto pela caçulinha mais premiada do skate, agora traz mais um troféu para enfeitar a estante - que já ficou pequena para tantos prêmios, e aguardar os próximos capítulos dessa história que está apenas começando.

Na próxima semana Rayssa ainda participa de mais uma importante premiação, dessa vez a de Skatista do Ano da revista americana Thrasher onde ela foi uma das indicadas ao prêmio, junto com outros 30 nomes de respeito na cena do skate mundial.

No início de janeiro, Rayssa completa 14 anos, mas antes de pensar em se tornar profissional, ela terá uma agenda cheia de compromissos, para como num passe de mágica, continuar a encantar o planeta e manter os sonhos vivos de toda uma geração.

"Se você pode sonhar, você pode fazer", como diria Walt Disney, em frase replicada por Rayssa em sua biografia no Instagram.