Olhar Olímpico

Olhar Olímpico

Siga nas redes
ReportagemEsporte

Mayra Aguiar brilha e é 1ª brasileira campeã no Grand Slam de Tóquio

Mayra Aguiar conquistou, neste domingo (3), um dos maiores feitos de sua vitoriosa carreira, ao vencer o Grand Slam de Tóquio. É a primeira vez que um brasileiro é ouro no torneio, tido como o mais difícil do mundo.

Como todo Grand Slam, cada país pode inscrever dois atletas, mas o dono da casa tem direito a quatro. E isso faz toda diferença em uma competição no Japão, berço do judô e que domina a modalidade. Este ano foram quatro ouros, três pratas e quatro bronzes para os japoneses.

Por causa dos custos e da dificuldade de conquistar um bom resultado, o Brasil nem sempre envia força máxima a Tóquio.

Mayra, por exemplo, não competia no país asiático desde 2015. Desta vez, a CBJ apostou e foi recompensada.

Mayra teve uma competição impecável. Estreou vencendo Antonina Shmeleva (russa que compete como neutra), passou depois pelas japonesas Mizuki Sugimura e Mami Umeki, e chegou à final contra a israelense Inbar Lanir, atual campeã mundial.

A brasileira, porém, não deu a mínima chance de Lanir. Encaixou três golpes para pontuar, um deles com um wazari, e amassou a israelense no solo quando o tempo de luta se esgotou.

Depois de tirar o ano para treinar e se recuperar fisicamente, Mayra fez três torneios e só perdeu uma luta este ano, para a italiana Alice Bellandi, líder do ranking mundial. De forma mais ampla, nos últimos 27 confrontos que fez, a brasileira foi derrotada somente quatro vezes. Em três, para Bellandi, que não foi a Tóquio.

Esta conquista é muito especial para mim. Era uma competição que sempre quis ganhar. Tanto pela dureza que ela é e também porque, depois do Brasil, o Japão é meu lugar favorito. Muito Obrigada pela torcida. Seguimos em frente.
Mayra Aguiar, após o título do Grand Slam de Tóquio de Judô

Feito histórico e melhor campanha

A medalha de Mayra no Grand Slam japonês é a segunda do Brasil no evento. Ontem, Jéssica Lima, da categoria até 57kg, faturou a medalha de prata, voltando a colocar o Brasil em uma final após dez anos. Ela, porém, não deve ir à Olimpíada de Paris-2024, porque é a da mesma categoria de Rafaela Silva, eliminada na estreia.

Continua após a publicidade

Esta foi a melhor campanha da história do Brasil no Grand Slam de Tóquio, e Mayra Aguiar é a primeira a vencer o torneio na era moderna. O único brasileiro campeão no Japão até então era Sergio Pessoa, que venceu a Copa Jigoro Kano, em 1986, em formato diferente do atual.

Outros brasileiros em ação

Hoje, o Brasil também disputou medalha com Larissa Pimenta, que perdeu o bronze para Gefen Primo, da Israel, na categoria até 52kg. Willian Lima (até 66kg) chegou a vencer o japonês Yamato Fukuda e avançou às quartas, mas caiu para a repescagem e ficou em sétimo.

Os demais judocas brasileiros pararam nas oitavas de final: Rafael Silva (+100kg) perante o japonês Io Fujimoto, Leonardo Gonçalves (-100kg) para o uzbeque Zelym Zotsoiev, Rafael Buzacarini (-100kg) contra o holandês Michael Morel e Ketleyn Quadros (-63kg) na luta com a anfitriã Mizuki Takaki.

Reportagem

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora